Chuvas deste ano já causaram cinco mortes em São Paulo

Desde o início do ano, cinco pessoas morreram e 660 ficaram desabrigadas ou desalojadas em decorrência das chuvas no Estado de São Paulo. Até agora, três municípios decretaram estado de emergência, dois estão em alerta e outros 18 estão em estado de atenção. Os dados fazem parte do balanço da Operação Verão, iniciado no dia 1º de dezembro, que foi divulgado nesta segunda-feira, 8, pela Coordenadoria Estadual da Defesa Civil (Cedec). Segundo o tenente Rodrigo Quintino, da Cedec, somente entre quarta, 3, e sexta-feira, 5, ocorreram quatro mortes no Estado, nos municípios de São Lourenço da Serra, Franco da Rocha, Jundiaí e Presidente Epitácio.Quintino informou ainda que Barretos, Araçatuba e Jales decretaram emergência, Jundiaí e Hortolândia, na região de Campinas, estão em alerta, e 18 municípios estão em atenção, conforme informações divulgadas no site do Governo de São Paulo. ?Outros municípios devem decretar emergência nos próximos dias, depois que as equipes da Coordenadoria Estadual da Defesa Civil, do Instituto de Pesquisas Tecnológicas e Instituto Geológico concluírem as vistorias técnicas?, declarou Quintino, citando como exemplo as cidades próximas a Paraguaçu Paulista.O tenente afirmou que a Cedec está repassando para esses municípios colchões, coberturas e cestas-básicas. ?O Estado dá apoio suplementar nesses momentos para garantir as condições mínimas de sobrevivência dos desabrigados e desalojados?.Os municípios de Sorocaba, Conchas, Itapeva e Botucatu, na região de Sorocaba, Paraguaçu Paulista e Maracaí, na região de Marília, e Reginópolis, Getulina, Jaú e Pirajuí, na região de Bauru, foram os mais castigados pelas fortes chuvas que atingiram São Paulo nos últimos dias. De acordo com a Coordenadoria Estadual da Defesa Civil (Cedec), em apenas 7 dias, choveu em Sorocaba mais da metade do esperada para todo o mês. Já em Bauru e Marília o acumulado em janeiro já superou a média mensal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.