GOVBA
GOVBA

Chuvas na Bahia: Governo decreta situação de emergência em 24 cidades após inundações

Municípios da região sul do Estado têm sido afetados por fortes tempestades na última semana. Problema afeta estradas e força retirada de famílias das suas casas. Personalidades fazem mobilização por ajuda

Heliana Frazão, especial para o Estadão

10 de dezembro de 2021 | 18h57

Mortes, cidades ilhadas e inundadas, estradas e pontes interditadas, rios transbordando, famílias desabrigadas, casas cobertas pela água e um rastro de destruição tem sido o resultado das fortes chuvas que atingem principalmente as regiões sul e extremo sul da Bahia, desde o início de novembro, mas que se intensificaram neste mês de dezembro. Vinte e quatro municípios estão em situação de emergência decretada pelo governo do Estado. A previsão é de que as chuvas continuem nos próximos dias.

Na última quarta-feira, 8, três pessoas morreram devido a um deslizamento de terra, que soterrou uma casa, na cidade de Teixeira de Freitas. As vítimas foram duas crianças, de 4 e 9 anos, além do tio delas.

De acordo com a Superintendência de Proteção e Defesa Civil da Bahia (Sudec), várias localidades estão ilhadas. Em Jucuruçu, há três dias o prefeito Arivaldo de Almeida está incomunicável, em uma zona rural. O município é um dos que se encontram em situação mais crítica. 

Um temporal que caiu nesta madrugada provocou o desmoronamento de um trecho da BA-284 e deixou a cidade debaixo d'água. Pessoas eram retiradas de suas casas por voluntários que utilizavam colchão inflável, botes e pequenos barcos. Um pescador está desaparecido há três dias.

Somente nesses últimos dez dias a cidade de Itamaraju registrou 500 milímetros de precipitações, diferentemente dos 13 milímetros verificados nesse mesmo período do ano passado.

Segundo o superintendente da Sudec, coronel Miguel Filho, ainda não há um número fechado de famílias desabrigadas e desalojadas, porque as prefeituras estão tendo dificuldades para contabilizar os prejuízos, que aumentam a cada dia. 

Esse período do ano costuma ser chuvoso naquela área do Estado, mas de acordo com o órgão estadual, em 2021 as chuvas estão caindo com maior intensidade e volume.

Diante da possibilidade de continuidade das chuvas, o governador Rui Costa apelou às famílias que moram nas regiões mais baixas das cidades afetadas, a deixarem o local. Isso porque muitas famílias têm resistido em sair de suas casas. “Nossa preocupação é principalmente porque, com o aumento das chuvas, as barragens devem liberar um volume maior de água nos próximos dias'', disse ele.

Celebridades se mobilizam 

Os influenciadores digitais Felipe Neto e Whinderson Nunes estão mobilizando as redes sociais para arrecadação de recusos, que serão destinados às famílias atingidas pelas enchentes. Neto afirmou ter doado R$ 100 mil para ajudar os desabrigados. "O sul da Bahia está em situação catastrófica nesse momento. Precisamos ajudar! Quem puder ajude Nova Alegria! Estou enviando R$ 100 mil para ajudar as famílias desabrigadas. Ajude com o que puder!", escreveu o influenciador, no Twitter. 

O humorista Whinderson Nunes também entrou na corrente de solidariedade, buscando por empresários que tivessem helicóptero, a fim de auxiliar no resgate das pessoas ilhadas pela chuva forte. "Gente, algum empresário(a) potência na Bahia que tenha helicóptero pode me dar um força pra ajudar o pessoal atingido pelas enchentes? Entra em contato faz favor", publicou. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.