Chuvas prejudicam mais de 390 mil nordestinos, diz Defesa Civil

Enchentes já mataram pelo menos 36 pessoas nos Estados do Maranhão, Paraíba, Ceará, Pernambuco e Piauí

Da Redação,

08 de abril de 2008 | 15h28

As chuvas que atingem o Nordeste já afetaram 390.813 pessoas, segundo dados da Secretaria Nacional de Defesa Civil (Sedec), divulgados nesta terça-feira, 8. Até agora, foram contabilizados 37.385 desalojados e 77.580 desabrigados em 227 municípios espalhados por seis Estados nordestinos: Ceará (24), Maranhão (29), Paraíba (73), Pernambuco (31), Piauí (35) e Rio Grande do Norte (35). A Sedec já registrou pelo menos quatro mortes no Maranhão, 25 na Paraíba, quatro no Ceará, duas em Pernambuco e uma no Piauí, totalizando 36 óbitos.   Veja também:    Chuvas deixam 33 mil desabrigados no Maranhão  Chuva deixa 42 cidades do RN em estado de emergência  Chuva mata quatro jovens no Ceará  Enchente no NE não terá impacto na safra, diz secretário  Lula anuncia MP para ampliar socorro a vítimas de chuvas no NE   Os óbitos no estado do Maranhão foram registrados nos municípios de Lagoa Grande (três vítimas) e Governador Archer (um). Há um desaparecido em Alto Alegre do Pindaré. Segundo o levantamento da Defesa Civil do Estado do Maranhão (Cedec), subiu para 28 o número de cidades que decretaram situação de emergência e para seis os municípios que decretaram estado de calamidade pública. Dos 217 municípios maranhenses, em 86 há registros de pessoas desabrigadas ou desalojadas.   Em decorrência das chuvas, o governo maranhense criou um Comitê Permanente de Emergência (Cope), estruturado às pressas nas dependências do Palácio Henrique de La Rocque, em São Luís para contabilizar as informações sobre as cheias e planejar as ações emergenciais do executivo estadual.   Durante reunião na manhã de segunda-feira, 7, em Brasília, com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a governadora do Rio Grande do Norte, Wilma de Faria, apresentou um relatório pedindo a liberação de R$ 98 milhões, em caráter emergencial, para recuperar danos provocados pelas chuvas no Rio Grande do Norte.   Segundo o governo, o dinheiro será usado na reconstrução de 470 quilômetros de estradas que foram danificados pelos temporais, para apoiar os agricultores que tiveram as áreas de cultivo inundadas, construir e recuperar casas atingidas e prestar atendimento emergencial às famílias desabrigadas nos municípios onde já foi decretada situação de emergência.   As chuvas continuam no nordeste e os níveis dos rios aumentam. O secretário Nacional de Defesa Civil, Roberto Guimarães, iniciou nessa terça vistoria em quatro cidades maranhenses afetadas pelas chuvas nos últimos dias. Ainda nesta terça, segue para Pernambuco e, na quarta-feira, para Paraíba e Rio Grande do Norte.   Medidas Provisórias   O presidente Luiz Inácio Lula da Silva acertou na segunda-feira, 7, com governadores do Nordeste, que participaram de reunião no Palácio do Planalto, a edição de uma medida provisória para ressarcir os danos causados por enchentes na região. A idéia é estender o seguro Garantia Safra, que hoje só prevê ressarcimento a agricultores que perdem suas safras em casos de estiagem. Segundo o ministro da Integração Nacional, Geddel Vieira Lima, a MP será editada o mais rápido possível e parlamentares da oposição concordam que há urgência e relevância na matéria.   Outra MP, editada na última sexta-feira, libera R$ 613,7 milhões para ações emergenciais contra os danos das chuvas. Desse total, R$ 540 milhões são para o Ministério da Integração Nacional, divididos para prevenção, socorro, emergencial e recuperação de danos. Outros R$ 73,7 milhões são para o Ministério dos Transportes para recuperação das rodovias federais atingidas. Segundo Geddel, o Nordeste tem 180 mil pessoas fora de suas casas, por causa das enchentes dos últimos 30 dias. O ministro lembrou que em alguns estados as chuvas ainda persistem e poderá haver mais prejuízos.   (com Wilson Lima, de O Estado de S. Paulo)

Mais conteúdo sobre:
Chuvas no Nordeste

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.