Chuvas provocam duas mortes em Escada, no Pernambuco

Mãe e filho morreram soterrados na manhã desta quarta-feira, 21, no município de Escada, na zona da mata pernambucana. Um muro de arrimo cedeu e atingiu a casa onde moravam, no bairro Matadouro Velho. Escada teve o maior volume de chuvas de PE entre as tardes da terça e da quarta-feira, 90,3 milímetros. No Recife e região metropolitana, a chuva intensa provocou o alagamento de ruas, prejudicou comerciantes e dificultou o trânsito.Por causa das chuvas, o desfile do quadrilhão, que reúne cerca de 1.200 integrantes de 60 quadrilhas matutas, foi cancelado. Ele deveria percorrer as ruas centrais do Recife, enchendo a cidade de forró, chapéus de palha e roupas coloridas neste período de festas juninas. O alagamento também impediu uma caminhada pela paz, na capital, parte do 3º Congresso de Saúde, Cultura de Paz e Não-Violência, promovido pelo Conselho Nacional de Secretarias Municipais. Os corpos de Laura Maria da Silva, de 72 anos, e seu filho Antonio Martins da Silva, de 52, ficaram soterrados e só foram resgatados três horas depois, pelos bombeiros, com a ajuda de uma escavadeira. José Martins da Silva, 42 anos, o outro filho de Laura que morava na residência, estava na cozinha no momento do desabamento e conseguiu escapar por uma janela.Com as duas mortes de hoje subiu para quatro o número de vítimas do período chuvoso deste ano. Os outros dois casos, de uma estudante de 21 anos e de um bebê de um ano e meio ocorreram na periferia do Recife, nos meses de abril e maio, foram provocados em deslizamento de barreiras nos bairros de Água Fria e Ibura.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.