Reuters
Reuters

Ciclone bomba: o que é o fenômeno que vem causando estragos no sul do Brasil

São vários relatos de destruição, quedas de árvores, estruturas comprometidas e mortes pelos ventos que ultrapassaram os 100 km/h

Diego Kerber, O Estado de S.Paulo

01 de julho de 2020 | 15h51

Nesta terça, 30 de junho, e quarta, 1º de julho, a região Sul do Brasil foi atingida por fortes ventos e chuvas torrenciais que causaram estrago, desde queda de estruturas e árvores até enchentes e deslizamentos. Algumas cidades, como Indaial e Bom Jardim da Serra, em Santa Catarina, e Clevelândia, no Paraná, registraram ventos de 120 km/h, segundo o Climatempo. Outras cidades também tiveram ventania acima dos 100 km/h. Pelo menos dez pessoas morreram em decorrência das tempestades.

Na região Sudeste, os vendavais também foram sentidos nos últimos dois dias, mas de forma mais leve. Em São Paulo e no Rio de Janeiro, os ventos podem chegar a até 90 km/h nesta quarta. No litoral sul paulista, cerca de vinte embarcações foram levadas e destruídas pela tempestade.

De acordo com especialistas, esse tempo tempestuoso é resultado da passagem de um “ciclone bomba” pelo sul e sudeste brasileiros. Entenda melhor abaixo.

O que é um ciclone bomba e como se forma?

Um ciclone bomba é um tipo de ciclone extratropical, como diz o meteorologista do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), Marcelo Schneider. “Um ciclone bomba é um sistema meteorológico relacionado à formação de uma baixa pressão atmosférica. O processo de formação desse ciclone não difere dos outros ciclones extratropicais, que acontece a partir de um grande contraste de massas de ar, um contraste térmico com apoio do escoamento dos ventos em altas altitudes.”

Ele explica que um ciclone extratropical só é chamado de ciclone bomba quando aumenta de intensidade em pouco tempo. “É assim denominado quando a pressão cai muito rapidamente, em cerca de 24 hectopascais em 24 horas, ou um hectopascal a cada hora durante as 24h.”

Por que o ciclone bomba atingiu a região Sul?

De acordo com o meteorologista Franco Villela, também do Inmet, não é raro acontecer um ciclone extratropical com características de ciclone bomba. A diferença é que o atual foi muito mais abrangente.

Todo ano pelo menos, há uma ocorrência de ciclone bomba. Neste caso, a grande diferença dele foi a abrangência e onde ele se aprofundou (se intensificou). Geralmente, o ciclone se aprofunda mais no oceano, mas, desta vez, ele se intensificou bastante já no continente”, explica o especialista.

Ciclone bomba coloca região Sul em situação de perigo

Os ventos fortes e chuvas torrenciais causadas pela passagem do ciclone já causaram estrago em várias cidades dos três Estados do sul do País. De acordo com o site do Inmet, toda a área do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina, assim como a região leste e o litoral do Paraná, deve ficar alerta para vendavais que podem danificar plantações e construções.

“Estes ventos e vendavais são capazes de interromper a energia elétrica, seja pela queda de postes, seja pela queda de árvores sobre a fiação, que podem gerar curtos-circuitos na rede e explosões”, alerta Villela. Segundo ele, as pessoas também devem tomar cuidado e evitar se colocar em risco. “As pessoas às vezes se expõem às intempéries para tentar salvar algum bem físico ou material e podem se submeter a um grande perigo, como por exemplo tentar amarrar barcos e lanchas.” Ele também afirma que o transporte, seja aéreo, terrestre ou marítimo, também se torna muito arriscado. “Os carros, quando, da ocorrência de ventos muito fortes, podem perder o controle. As ondas e o mar muito agitado e as turbulências próximas a montanhas ficam muito mais intensas e os riscos são muito grandes, principalmente com objetos ou destroços; soprados ou caindo, bem como árvores, postes e telhados de estruturas que podem cair sobre as pessoas.”

Para se proteger, o Instituto recomenda ficar em local abrigado e evitar se esconder embaixo de árvores, pois há risco de queda ou descargas elétricas. Também evite estacionar veículos próximos a torres de transmissão ou placas de propaganda. No caso de chuva forte, se possível, desligue todos os aparelhos elétricos e o quadro de energia e, se houver inundação, proteja seus pertences com sacos plásticos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.