Cidades do Ceará fazem racionamento de água

Apenas 45% da capacidade dos reservatórios acumulavam água no início deste mês

Lauriberto Braga, Especial para o Estado,

11 Março 2013 | 17h52

FORTALEZA- O Ceará não racionava água há 20 anos e neste mês de março resolveu adotar a medida para evitar o colapso total em áreas urbanas de cidades mais afetadas pela seca. O racionamento começou pelas cidades de Pacoti e Quiterianópolis e pode ser estendido para outras regiões do Estado caso os açudes não recebam água com urgência.

Hoje quase dois milhões dos mais de oito milhões de cearenses estão sofrendo os efeitos da seca que se prolongou do ano passado para 2013. Boletim da Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos do Ceará (Cogerh) aponta que no início de março apenas 45% da capacidade dos reservatórios acumulavam água. Com a evaporização e a falta de chuva a situação tende a ficar mais crítica em bacias que hoje estão com menos de 20% da capacidade de armazenamento, como as bacias do Curu (19%) e do Crateús (15%). A seca afeta mais fortemente 174 dos 184 municípios cearenses.

Para não faltar água de vez a Companhia de Água e Esgoto do Ceará precisou fazer uso do racionamento. Com isso os moradores de Pacoti e Quiterianópolis recebem água dia sim e dia não. Grandes cidades como Sobral e Crateús estão ameaçadas de entrar no racionamento ainda neste mês. Também na lista para racionamento encontra-se os municípios de Beberibe, Acopiara, Caridade, Irauçuba, Itapagé, Itatira, Milhã, Pacoti, Paracuru, Quiterianópolis, Salitre, Tauá e Baturité. Em estado de alerta estão as cidades de Alcântara, Antonina do Norte, Catunda, Coreaú, Crateús, Fortim, Ibaretama, Moraújo, Pacujá, Palmácia, Parambu, Pecém, Pereiro e Potiretama. O racionamento em Fortaleza está descartado.

Mais conteúdo sobre:
racionamentoáguaCeará

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.