Reprodução Google Street View
Reprodução Google Street View

Cidades do interior registram três casos de feminicídio no mesmo dia

Acusados dos crimes são namorados ou maridos das vítimas

José Maria Tomazela , O Estado de S.Paulo

11 Janeiro 2018 | 11h53

SOROCABA - A Polícia Civil registrou três novos casos de feminicídio num único dia, nesta quarta-feira, 10, em cidades do interior de São Paulo. Os acusados do crime são namorados ou maridos das vítimas. Dois deles estão foragidos. O feminicídio, assassinato de mulher em razão do sexo, agrava a pena prevista para o homicídio doloso.    

Em Marília, a professora Elizabeth Aparecida Ribeiro, de 36 anos, foi assassinada a facadas pelo namorado no apartamento em que morava sozinha, num condomínio de prédios, no Jardim Palmital. De acordo com a Polícia Civil, depois de praticar o crime, Jeferson Carlos da Silva, de 28 anos, saiu de moto do condomínio e foi à casa de sua mãe, onde relatou o que tinha acontecido.    

Ele fugiu e a mulher entrou em contato com a polícia. Os policiais arrombaram o apartamento e encontraram o corpo da vítima, com ferimentos à faca no pescoço. A mãe do rapaz disse à policia que o casal estava junto há um ano e brigava por ciúmes. Em relacionamento anterior com outra mulher, ela havia registrado um boletim de ocorrência contra ele por violência doméstica.   

O caso, registrado como feminicídio, será investigado pela Delegacia de Defesa da Mulher, que já pediu a prisão do suspeito. Elizabeth dava aulas numa escola da rede estadual. Seu corpo será sepultado nesta quinta-feira, 11, em Cafelândia, cidade da região.     

Em Paraguaçu Paulista, oeste do Estado, uma mulher de 49 anos foi encontrada morta em sua casa, no Jardim das Oliveiras. Conforme a polícia, o corpo de Wilce Helena Oliveira Machado apresentava sinais de estrangulamento. Os policiais foram até a casa depois de serem avisados do crime por familiares do suspeito, o marido da vítima, João José dos Santos, de 57 anos.     

De manhã, ele telefonou para uma irmã contando que tinha matado a esposa. Foi ela quem mobilizou a polícia. O suspeito fugiu com o carro da família e não tinha sido localizado até a manhã desta quinta-feira. A justiça já expediu ordem de prisão contra o autor do feminicídio.      

No bairro do Tanque, em Atibaia, o serralheiro Alcimo Jonata da Silva, de 37 anos, matou a esposa, Nilza Silva, de 35, com golpes de machado, na madrugada de quarta-feira (10). O crime aconteceu no interior da casa onde vivia o casal. Vizinhos ouviram os pedidos de socorro da mulher e acionaram a polícia. Os policiais flagraram o marido tentando esconder o corpo da vítima. Preso em flagrante, ele alegou uma suposta traição.      

SUSPEITA - A Polícia Civil investiga a morte da jovem Gabrielly Teixeira Santos, de 20 anos, encontrada pendurada por uma corda a uma árvore, no último sábado, 6, no condomínio de luxo Riviera de São Lourenço, em Bertioga, litoral norte de São Paulo. A jovem estava desaparecida havia seis dias e o corpo foi achado por moradores, no interior de uma mata.     

O caso, tratado inicialmente como suicídio, passou a ser considerado suspeito depois de uma perícia constatar que os pés da jovem estavam apoiados no chão e havia um possível afundamento no crânio. Além disso, o nó da corda estava sob o queixo da jovem, e não na região da nuca como seria típico nesses casos.    

A polícia apurou que, antes de desaparecer, ela havia brigado com o namorado. Ele não notificou a polícia sobre o desaparecimento da jovem, com quem se relacionava há mais de um ano. O rapaz se apresentou à polícia nesta quarta-feira, 10, acompanhado de advogado, e negou qualquer envolvimento na morte da garota, que continua sob investigação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.