Cidades históricas são o refúgio da folia ''de antigamente''

SP, RJ e MG atraem turistas para festas de rua com marchinhas, bonecões e simplicidade

Adriana Carranca, O Estadao de S.Paulo

10 Fevereiro 2009 | 00h00

As cidades históricas atraem turistas para o carnaval na mesma medida em que os desfiles de São Paulo e Rio ganham luxo e os blocos do Nordeste se sofisticam. Quem procura Santana de Parnaíba e São Luís do Paraitinga, em São Paulo, e Ouro Preto, São João Del Rey e Mariana, em Minas, busca simplicidade. Ali os desfiles têm um clima de antigamente, com marchinhas, bonecões de papel machê, fantasias feitas de chita ou de um singelo lençol. Seus blocos e escolas atravessam séculos sem se render a musas de fio-dental e seios siliconados de fora. Ouça sambas, siga programação e saiba onde passar o carnaval"É carnaval de rua mesmo, carnaval de pé no chão. Não é como os carnavais altamente comercializados do Rio e Nordeste. O que conta é a espontaneidade", diz o advogado carioca José Freire, que há 15 anos passa os dias de folia em São Luís do Paraitinga, a 170 quilômetros de São Paulo, onde acabou construindo uma casa de temporada e fundou seu próprio bloco, que conta a história de um ET abduzido pelo carnaval local. Freire já venceu três vezes o concurso de marchinhas realizado todos os anos pela Secretaria de Cultura da cidade. É tão tradicional que o próprio secretário, Galvão Frade, é também compositor e foi o único representante de São Paulo entre os dez finalistas do 4º Concurso Nacional de Marchinhas do centro cultural Fundição Progresso, que teve 843 inscritos de 25 Estados.São Luís do Paraitinga, que tem apenas 10 mil habitantes, espera atrair neste ano mais de 150 mil turistas nos quatro dias de carnaval, 20% a mais do que no ano passado. Os hotéis já estão lotados. A opção é ficar nas vizinhas Ubatuba ou Taubaté. Os mais aventureiros ainda podem encontrar vaga nos campings, que têm 70% de lotação, ou em casas para alugar. A economia gerada para a cidade chega a R$ 6 milhões. "É o maior carnaval da região", diz Freire. A festa começa na quinta-feira da semana do carnaval, no bairro de Catuçaba. A partir de sexta-feira, cada um dos 26 blocos sairá pelas ruas do centro histórico seguidos por até 7 mil foliões. As três marchinhas vencedoras entre as mais de 60 inscritas são apresentadas no coreto. Nada mais pitoresco.CABEÇÕESOs tradicionais "cabeções", bonecos que chegam a 3 metros de altura e são feitos de papel machê, voltam às ruas de Santana de Parnaíba, mas neste ano não farão parte das escolas, como nas três festas anteriores. Eles abrirão o carnaval na sexta-feira, dia 20, a partir das 22 horas, com o bloco Gritos da Noite. Foram criados pelo morador João Santana Leite, na década de 1920, e levados adiante por um colega dele, Holmes Vilar, um dos fundadores do carnaval de Santana. Há 37 anos, é seu filho, Miguel Vilar, o carnavalesco responsável pela criação do tema e das fantasias, além da manutenção dos cerca de 30 "cabeções". "Faço isso desde os 14 anos."No fim de semana, oito blocos de rua desfilarão - para acompanhá-los, a maioria pede uma doação de um quilo de alimento. O tema deste ano é "O fogo aquece, mas queima", chamando a atenção para o aquecimento global. Parte das fantasias está sendo fabricada com materiais reciclados, como copinhos de plástico. As duas escolas de samba da cidade desfilam no domingo, às 19 horas, e na terça-feira, às 18 horas. Na segunda-feira, às 17 horas, o bloco Alegria dos Coroas retrata o carnaval à moda antiga, com marchinhas tocadas ao vivo.Santana atrai cerca de 20 mil foliões por dia. Localizada na Região Metropolitana de São Paulo, pode ser visitada em apenas um dia. Para quem prefere se hospedar, a Pousada 1896, única no centro histórico, já está com as suítes lotadas, mas há vagas em quartos coletivos, que acomodam entre seis e dez pessoas. Outra opção é ficar em Alphaville, a cerca de 20 minutos de carro dali. No Rio, em Paraty, a festa já começou. No mar. Ontem, cerca de cem embarcações partiram do cais ao meio-dia, com música e decoração carnavalesca. Mais de 2 mil pessoas compareceram. Nos quatro dias de carnaval, a folia volta para o centro histórico com os desfiles dos tradicionais blocos de rua. A cidade tem boa infraestrutura hoteleira, mas é preciso correr, pois 90% das unidades já estão ocupadas. Em Minas, Ouro Preto, São João Del Rey e Mariana se uniram para fazer o carnaval das cidades históricas. São esperadas mais de 50 mil pessoas por dia. Em Ouro Preto, que já tem tradição com os blocos de rua das repúblicas estudantis da Universidade Federal de Minas Gerais, encontrar vaga em hotéis e pousadas é quase impossível. Ainda restam casas para alugar. São João e Mariana são boas opções.A prefeitura de Ouro Preto montou palcos nos principais pontos históricos, como Praça Tiradentes e Largo do Cinema. A festa começa com apresentações de bandas locais na Barra, na próxima sexta e no domingo. A quinta-feira, dia 18, abre oficialmente o carnaval de rua no centro histórico. As escolas de samba se apresentam na noite de segunda-feira. SERVIÇOSão Luís do Paraitinga: www.saoluizdoparaitinga.sp.gov.br; (0XX12) 3671-7000Santana de Parnaíba: www.santanadeparnaiba.sp.gov.br; (0XX11) 4154-1874Paraty: www.paraty.com; (0XX24) 3371-1222Ouro Preto: www.ouropreto.mg.gov.br; (0XX31) 3559-3285 e (0XX31) 3559-3284São João Del Rey: www.saojoaodelrei.mg.gov.brMariana: www.mariana.mg.gov.br

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.