Cinco cidades do Rio continuam alagadas, afirma Defesa Civil

Porciúncula é o município em situação mais crítica, já que a cidade está praticamente ilhada pelas enchentes

Solange Spigliatti, do estadao.com.br ,

07 de janeiro de 2009 | 13h39

Pelo menos cinco cidades do Rio de Janeiro continuam alagadas devido às chuvas que atingem o Estado, segundo informações da Defesa Civil. As cidades de Natividade, Porciúncula, Itaperuna, Miracema e Bom Jesus de Itabapoana têm bairros alagados nesta quarta-feira, 7. Os rios Muriaé, Carangola, Pombas e Paraíba do Sul, que cortam as regiões Norte e Noroeste do Estado, continuavam muito acima do nível normal, segundo a Defesa Civil.   Veja também: MG tem 61 cidades em situação de emergência pelas chuvas Chuva dá trégua em SC, mas previsão é de temporais na sexta Blumenau quer dar desconto no IPTU às vítimas das chuvas Todas as notícias sobre vítimas das chuvas         A cidade em situação mais crítica nesta quarta é Porciúncula, que se encontra praticamente ilhada e o abastecimento de água tratada foi suspenso, segundo a Defesa Civil. As três vias de acesso ao município estão intransitáveis, por causa das águas. Apenas veículos especiais de grande porte e com tração integral nas quatro rodas conseguem acesso à cidade por terra. A cidade tem 300 desabrigados e pelo menos 3 mil desalojados.   O número de desalojados no Estado está em torno de 32,5 mil. Já o total de desabrigados está em torno de 2,6 mil. Os municípios de Itaperuna, o Muriaé, Italva, Santo Antonio de Pádua, Campos dos Goytacazes, Natividade, Porciúncula, Cambuci, Aperibé, Bom Jesus de Itabapoana, São Fidélis e Paraíba do Sul estão em situação de emergência e a cidade de Cardoso Moreira em estado de calamidade pública.   De acordo com a Coordenação da Defesa Civil, a previsão é que as chuvas continuem em todo Estado até sexta-feira, e a orientação é para que os moradores evitem as áreas de encosta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.