Reuters
Reuters

Cinco cidades-sede têm de resolver falhas

Brasília, Fortaleza, Rio, Recife e Salvador precisam, em especial, adotar medidas de combate ao crime

Lisandra Paraguassu, de O Estado de S. Paulo,

18 Maio 2013 | 18h45

A pouco menos de um mês do início da Copa das Confederações, cinco das seis cidades-sede da competição ainda precisam resolver problemas de segurança e organização. A mais recente avaliação de risco preparada pela Agência Brasileira de Inteligência (Abin) mostra que em Brasília, Fortaleza, Recife, Salvador e Rio há medidas a serem tomadas, especialmente no combate ao crime. 

 

A capital do Ceará é, hoje, a que ainda tem o maior índice de riscos altos - 11% -, basicamente concentrados na criminalidade comum e no risco de ataques a turistas. Salvador e Rio, com 7%, vêm em seguida, mas com situações diferentes. Enquanto na capital baiana o risco também é o crime comum, no Rio acrescenta-se o crime organizado e os problemas nas rotas que serão usadas pelas delegações. Uma das preocupações, por exemplo, é a Linha Vermelha, que leva do aeroporto à zona sul, passando por uma favela ainda não pacificada. 

 

O Rio é um dos centros de preocupação para a segurança, não só para a Copa das Confederações, mas para a Jornada Mundial da Juventude, em julho. A concentração de multidões é um pesadelo para os responsáveis. Qualquer tumulto pode resultar em problemas graves, a concentração de gente favorece a ação de criminosos e os deslocamentos são extremamente problemáticos. A cidade está sendo avaliada com lupa para minimizar ao máximo os riscos. 

 

Em Brasília, onde será o jogo de abertura, além do crime comum, outro detalhe de estrutura chamou a atenção dos agentes e ainda não foi resolvido: o aeroporto. Com desenho completamente aberto, sem portas ou cercas, o aeroporto é difícil de vigiar e controlar no caso de qualquer tipo de ataque. 

As avaliações da Abin, além de apontar problemas, indicam soluções. Os relatórios indicam que, se nos próximos dias as capitais cumprirem as determinações, todas elas passarão a ter riscos baixos ou muito baixos, mesmo nas questões de criminalidade. Resta saber se as orientações serão cumpridas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.