Cinco líderes tentam montar chapa em SC

O prestígio pessoal para a definição das composições figura como mola mestra no período de pré-candidaturas ao governo de Santa Catarina. Pelo menos cinco lideranças já estão na estrada defendendo suas propostas e tratando de composições, porém sem uma definição de palanque oficialmente alinhada com o quadro nacional representado pelas pré-candidaturas do tucano José Serra e da petista Dilma Rousseff. É o caso da progressista Ângela Amin, da petista Ideli Salvatti, do democrata Raimundo Colombo, do peemedebista Eduardo Pinho Moreira e também do atual governador, o tucano Leonel Pavan.

Júlio Castro, O Estado de S.Paulo

09 de maio de 2010 | 00h00

Este panorama deve permanecer até o dia 30 de junho, data limite para as convenções dos partidos e 5 de julho, quando obrigatoriamente serão feitos os registros de candidaturas no Tribunal Regional Eleitoral. O PP, que tem na deputada federal Ângela Amin a pré-candidatura com liderança permanente nas pesquisas, defende um canal aberto ao ingresso de qualquer partido para a composição de chapa. "Estamos percorrendo todo o Estado para saber o que o eleitor pensa. E o que percebemos é um sentimento de mudança e neste contexto, somado as eventuais parcerias com outras legendas, queremos construir um projeto de governo para Santa Catarina", analisa Ângela.

Cogitou-se, inclusive, a possibilidade dele abrir mão de sua candidatura ao senado, optando pela tentativa de chegar à Câmara ou até mesmo abortar qualquer candidatura na hipótese do PT juntar-se ao PP em primeiro turno, feito que está praticamente descartado pelos resultados das últimas pesquisas que apontam Ideli Salvatti com boas chances passar para o segundo turno. Ideli, com isso, alinhada com o PP, tentaria reeleição ao senado na hipótese de renúncia de postulante ao governo catarinense. "A decisão do PT de disputar o governo é irreversível por várias razões. Nossa pré-candidatura unificou o partido como nunca. Temos apoio nacional; somos o único partido que já formou um bloco consistente de aliança com o PR, PRB, PSB e PCdoB - e ainda podemos agregar mais. Tivemos a presença e o aval de Dilma Rousseff no lançamento de nossa pré-candidatura diferente das demais pré-candidaturas."

Correndo por fora, o senador Raimundo Colombo (DEM) já declarou que seu partido está comprometido em apoiar José Serra em Santa Catarina. Situação que coloca em ''xeque'' a já abalada tríplice aliança, formada pelo DEM, PSDB e PMDB, responsável pela vitória na última eleição e que levou Luiz Henrique da Silveira a governador, hoje candidato ao Senado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.