Cinco mil visitam velório de professoras em Sumaré

O acidente que matou 11 professoras da rede estadual de ensino de Sumaré e mais dois motoristas, ocorrido no início da noite de ontem, comoveu os moradores da cidade. Mais de cinco mil pessoas esperaram horas na fila, nesta tarde, para prestar as últimas homenagens no velório coletivo, que aconteceu no Ginásio de Esportes do Colégio José de Anchieta. A Prefeitura de Sumaré decretou luto oficial de um dia. Não houve expediente nas repartições públicas municipais. O acidente, na Via Anhangüera, envolveu um caminhão e uma van.A Delegacia de Ensino também suspendeu as aulas em todas as escolas, nos três períodos. A partir das 16h30, os corpos começaram deixar o Ginásio de Esportes.As educadoras trabalhavam nas escolas Bélgica Leone, André Alkimin, Antonio do Valle e Parque dos Pinheiros, esta última em Hortolândia. Desde 1º de julho, elas iam para Campinas, onde faziam curso de aperfeiçoamento exigido pela Secretaria Estadual de Ensino. "Foi um choque muito grande para todos", disse a diretora da Escola Leone Borges, Elisa Helena Calil. O acidente ocorreu quando o motorista Nelson Ferreira Brito, do caminhão, invadiu a pista contrária no sentido interior-capital, na altura do km 100,8 da Via Anhangüera. O caminhão, pertencente Pevi Industria e Comércio de Plásticos, estava carregado de produto altamente inflamável, e explodiu ao atingir em cheio a van, onde estavam as professoras. Antes de atingir a van, o caminhão bateu em outros dois veículos, um Palio, e um Escort, ambos de Campinas, ferindo levemente outras três pessoas. Os bombeiros levaram mais de seis horas para retirar os corpos presos às ferragens.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.