Cinco pessoas são atingidas por balas perdidas em Copacabana

Atingidas no ombro e no pé, vítimas foram atendidas no Hospital Miguel Couto, na zona sul, e passam bem

Bruno Lousada e Roberta Pennafort, O Estado de S. Paulo

01 de janeiro de 2009 | 12h43

Nesta quinta-feira, 1, garis recolheram cerca de 300 toneladas de lixo na praia de Copacabana, onde mais de dois milhões de pessoas acompanharam a queima de fogos. A passagem do ano foi considerada tranqüila, embora cinco pessoas tenham sido baleadas em Copacabana.   Veja também: Após festa, 300 toneladas de lixo são retiradas de praias do Rio   As cinco pessoas atingidas por balas perdidas na praia da Copacabana, entre zero hora e uma hora, foram levadas pelos bombeiros para o Hospital Miguel Couto, no Leblon, e liberadas em seguida. Rafael Pereira Leite, de 19 anos, foi ferido no braço direito na esquina da Rua Siqueira Campos com Avenida Atlântica, e Priscila Oliveira da Silva, de 26 anos, atingida no pé direito na Rua Santa Clara. Os dois estavam próximos ao palco onde a cantora Mart’nália se apresentou à 0h20, logo após o show dos fogos.   Nilza Maria Batista Vieira, de 53 anos, levou tiro na perna direita quando passava pela esquina da Avenida Atlântica com a Rua Miguel Lemos. Já Regina Maria da Silva Ribeiro, de 37 anos, foi atingida de raspão no ombro direito, na Avenida Atlântica. A quinta vítima é Anderson da Silva, ferido também de raspão. A Polícia Militar não soube informar de onde partiram os disparos.   O público foi maior do que o esperado na praia, por conta do cancelamento do espetáculo de fogos de artifício nas praias de Ipanema e do Flamengo. Os espectadores festejaram a virada assistindo à queima de 24 toneladas de fogos, que durou mais de 20 minutos. A chuva que caiu quase a noite toda parou pouco antes da zero hora e não tirou a animação dos cariocas e turistas que estavam nas praias. Na Barra, estima-se que um milhão de pessoas tenham assistido ao show pirotécnico e dançado ao som de música eletrônica.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.