Nuno Guimarães/Reuters
Nuno Guimarães/Reuters

Cinco prédios históricos vão receber R$12,3 milhões para reforma e recuperação

Verba do Fundo de Direitos Difusos é proveniente de condenações judiciais, multas e indenizações

Redação, O Estado de S.Paulo

19 de junho de 2019 | 03h27

BRASÍLIA - Cinco prédios considerados patrimônio histórico e cultural vão receber R$ 12,3 milhões do Fundo de Direitos Difusos para projetos de reforma e recuperação. O fundo é fonte de recursos vinculada ao Ministério da Justiça.

A verba de apoio será repassada ao Teatro Amazonas, em Manaus; ao Museu de Arte do Rio Grande do Sul, em Porto Alegre; às ruínas do Mosteiro de São Bento, em Maragogi, Alagoas; ao Moinho Kollross, em Itaiópolis, Santa Catarina; e à escola urbana de Timbó, também em Santa Catarina.

A verba do Fundo de Direitos Difusos é proveniente de condenações judiciais, multas e indenizações, que são destinadas a áreas diversas, como meio ambiente, direitos do consumidor e bens e atividades de valor artístico e cultural. No caso desses projetos, a verba será liberada em três parcelas, de 2019 a 2021.

O Museu de Arte do Rio Grande do Sul vai ganhar R$ 5,6 milhões para restauração da cobertura e reforma do sistema de climatização. O Teatro Amazonas receberá R$ 2,6 milhões para obras de modernização e melhorias no sistema elétrico.

Foram destinados R$ 2,4 milhões para o escoramento das ruínas do Mosteiro São Bento, em Maragogi e, em Timbó, a antiga escola urbana terá R$ 1,1 milhão para obras de restauração, mesma finalidade dos R$ 503 mil que serão disponibilizado ao Moinho Kollross, em Itaiópolis.

A escolha se deu a partir de um edital divulgado em abril. Foi a terceira seleção de projetos do ano. Anteriormente, foram repassados R$ 189,2 milhões para 23 projetos envolvendo patrimônio, museus e bibliotecas. / Agência Brasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.