Cinco quadros de Carybé e Bonadei roubados em São Paulo

Cinco quadros dos artistas Carybé e Bonadei, avaliados em R$ 120 mil, foram roubados de uma galeria nos Jardins por três homens. Os policiais civis empenhados em identificar os assaltantes suspeitam de que eles façam parte de uma quadrilha especializada no roubo de objetos de arte.O assalto ocorreu na segunda-feira da semana passada, no espaço A Galeria, do marchand Valdemar Szaniecki, na Rua Bela Cintra. Nesta segunda-feira, ele mandou e-mails aos marchands e donos de galerias de arte do País comunicando o roubo. "Espero que os bandidos sejam presos o mais rapidamente possível."Dono da galeria há 36 anos, Szaniecki disse que foi o primeiro assalto que sofreu. Ele estava viajando e chegou no dia 15. "Não tenho idéia de quem possa ter planejado o roubo. Pelo que a gerente disse, os ladrões não conheciam as obras e foram orientados."Os três homens, jovens e bem vestidos, entraram na galeria por volta das 16 horas do dia 13. Quando a gerente Rosana Rodrigues dos Santos perguntou em que tipo de obra estavam interessados, eles anunciaram o assalto.Rosana e os funcionários foram trancados num quarto, nos fundos. Durante o roubo, um dos assaltantes atendeu o celular e foi instruído sobre o que deveria procurar. Os bandidos levaram Menina com Chapéu e Paisagem, uma pintura a óleo sobre tela, de 65x58, de 1942, com a assinatura A. Bonadei e data no canto superior direito. O quadro tinha uma etiqueta do Departamento de Belas Artes do Conselho Britânico.Roubaram ainda quatro Carybés: O Navio, pintura a óleo sobre tela medindo 50x70 assinado e datado de 1986 no canto inferior direito; A Galinha Legorne, têmpera vinil, de 50x35, assinado e datado 1986 no canto inferior direito; e dois Orixás, em têmpera vinil, medindo cada um 33x23 centímetros, com assinatura no canto inferior direito.Os ladrões fugiram num carro preto. Um deles tirou a moldura do Bonadei e levou a etiqueta que dá autenticidade ao quadro. A delegada Elisabete Sato, do 78.º Distrito Policial, é a responsável pela investigação.Szaniecki disse que o quadro de Bonadei (o paulistano Aldo Cláudio Felipe Bonadei) e dois de Carybé (o argentino Hector Júlio Páride Bernabó), o Navio e a Galinha Legorne, são de sua coleção particular. O Bonadei custa R$ 45 mil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.