Cinco são presos por clonagem de cartões em Curitiba

O Centro de Operações Policiais Especiais (Cope), do Paraná, prendeu em flagrante cinco pessoas acusadas de integrar uma quadrilha internacional de clonagem de cartões de crédito e débito. O grupo também é acusado de traficar informações financeiras sigilosas para a Europa. De acordo com a polícia, o brasileiro naturalizado uruguaio Maximiliano Simon Pelegrini Sosa, de 43 anos, é o líder do grupo.A polícia acredita que eles agiam havia dois anos, com arrecadação mensal de cerca de R$ 1,5 milhão. Além de Sosa, foram presos Roni Telmo Teixeira, de 28 anos, Eduardo Fernandes de Almeida, de 28, Fabiano Kokuszka, 31, e Andréa Elizabethe de Miranda, 27. Estão foragidos Julio Sosa e Eudes Paulo da Silva, diretor de um clube de futebol amador de Curitiba. Com o grupo foram apreendidos dezenas de cartões de crédito clonados, carros, notebooks e aparelhos de televisão. Segundo a polícia, os irmãos Sosa e Teixeira distribuíam cartões clonados para os outros integrantes da quadrilha, que faziam compras de equipamentos eletrônicos caros. "Era assim que eles lucravam. Compravam e depois revendiam para cidadãos comuns geralmente pela metade do preço", disse o delegado do Cope, Marcus Vinícius Michelotto.A polícia tenta identificar agora dois grupos ligados à quadrilha e que eram responsáveis por recolher informações sigilosas de clientes de bancos e financeiras para produzir os clones dos cartões. "Temos fortes indícios de que as informações sigilosas são vendidas para a Europa para que outras quadrilhas possam clonar cartões e lucrar com isso", disse o delegado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.