Cindacta-3 coordena resgate de avião dos EUA

Incidente ocorreu na manhã de sexta, mas foi mantido em sigilo por autoridades

Agencia Estado

27 de junho de 2007 | 14h49

O Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle do Tráfego do Recife (Cindacta-3), coordenou a operação de resgate de um avião CN-235 turboélice, da Guarda Costeira dos Estados Unidos, que entrou em pane sobre o oceano, a 250 quilômetros de Fortaleza. Havia cinco passageiros e dois tripulantes a bordo. O avião, produzido na Espanha pela CASA, estava sendo levado da fábrica, na Europa, para uma base nos Estados Unidos e faria um pouso para reabastecimento no Ceará ou em Pernambuco.O incidente ocorreu na manhã de sexta-feira, mas foi mantido em sigilo a pedido das autoridades americanas. O comandante da aeronave, tenente-coronel J. Coley, declarou a emergência depois que os motores apresentaram falha: o direito parou de funcionar, enquanto o esquerdo passou a falhar e a perder rendimento.O contato foi feito com o Cindacta-3, responsável pelo espaço aéreo do Nordeste. O centro já monitorava, por meio dos radares e sistemas de comunicações locais, a evolução do USCG-2301. A missão de escolta envolveu de início por um avião C-95 Bandeirante da Esquadrilha Rumba Azul, do 1º/5º GAV, em fase de decolagem para um vôo de instrução, acompanhado por duas outras aeronaves do mesmo tipo, a partir de Fortaleza. O contato se deu sobre o mar, a 70 quilômetros da costa, no alinhamento da pista do aeroporto. Às 14h10, o caça A-29 Super Tucano foi acionado para interceptar a aeronave da Guarda Costeira, que permanecia sob orientação dos controladores do Recife e da unidade de aproximação de Fortaleza. O CN-235 pousou em segurança às 14h28.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.