Cintas-largas interrompem garimpo para evitar conflitos

Três caciques cintas-largas participaram nesta sexta-feira, na sede da Funai em Cacoal (RO), de uma reunião com delegados da Polícia Federal, representantes do Ministério Público Federal e funcionários da Funai. No encontro, Nacoça Pio, João Bravo e Pandaré se comprometeram a paralisar as operações de extração de diamantes e a evitar qualquer tipo de confronto com garimpeiros. Em nota à imprensa, a direção da Funai voltou a afirmar que os cintas-largas denunciaram a existência de um grupo de 20garimpeiros na reserva indígena Roosevelt. Nessa região, há 20 dias, um confronto resultou na morte de 29 pessoas. A Polícia Federal e a Funai, no entanto, ainda não localizaram os supostos invasores. Representante do Sindicato dos Garimpeiros de Espigão D´Oeste, o garimpeiro Francisco Chagas conta que a entidade foi avisada, esta semana, da entrada de 30 homens na reserva. "Outros cem chegaram lá antes do conflito e continuamdesaparecidos", afirma Chagas. "Não sabemos dizer se realmente houve nova invasão. Mas que ainda tem garimpeiro lá, vivo e morto, isso temos certeza."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.