Citado na Hurricane, Carreira Alvim vende palestras em site

Investigado pela Polícia Federal sob suspeita de vender decisões judiciais, o desembargador federal José Eduardo Carreira Alvim é figura de destaque no Instituto de Pesquisa e Estudos Jurídicos (Ipej), entidade que dá cursos de Direito cujo diretor-geral é seu genro, Silvério Nery Cabral Júnior - preso nas mesmas investigações. O magistrado, que leciona na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), vende suas palestras pelo site do Ipej na internet a R$ 15 o download - os interessados podem assistir a uma pequena prévia - e também ler livros de sua autoria. Dos 29 títulos da bibliografia do Ipej, 27 têm o nome de Carreira. No início da semana, o desembargador anunciou afastamento da Uerj. O Ipej foi citado várias vezes nas conversas grampeadas pela PF com autorização judicial. Em uma delas, em 28 de novembro de 2006, na sala de Carreira Alvim no Tribunal Regional Federal da 2ª Região, o desembargador disse que não era o representante legal do Ipej, mas sim sua filha, Luciana Carreira Alvim Cabral, e seu genro. Segundo a PF, era o magistrado quem administrava a instituição, onde passava grande parte do dia cuidando dos cursos e de contatos com professores. Em 13 de abril, quando foi desencadeada a Operação Hurricane (furacão, em inglês), a sala do magistrado no instituto, situado na Avenida Rio Branco, no centro da capital fluminense, foi alvo de buscas dos agentes federais. Em conversa telefônica com Silvério Júnior também em 26 de novembro de 2006, Carreira Alvim, numa aparente demonstração de seu poder no instituto, disse: ?O Itaú fica com a Maria Tereza, ou seja, o curso de juiz. A Caixa Econômica fica para conta geral, e o Banco Real fica para as contas do curso e dos livros?. Na mesma conversa, o desembargador afirmou que o dinheiro dos livros deveria ser depositado em sua conta. Na quarta-feira, 25, quem acessasse o site do magistrado era redirecionado ao do Ipej. O diretor-geral do Ipej continua preso. Orkut No site de relacionamentos Orkut, Alvim diz que ?a Justiça neste País é realmente uma coisa lamentável?. A declaração foi feita no final da noite de terça, em troca de mensagens com outro integrante do site, que aparentemente o questionava sobre ter interrompido o curso de Direito. Alvim disse ?não ser a pessoa mais indicada no momento para responder?. O desembargador se classifica no site como ?consciente de sua responsabilidade social?. Ele também participa da comunidade ?Sou fã do Dr. Ricardo Regueira?, outro dos presos pela PF acusado de integrar esquema de venda de sentenças.

Agencia Estado,

26 Abril 2007 | 11h46

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.