Civis podem substituir PMs em presídios de SP

O governador do Estado de São Paulo Geraldo Alckmin, anunciou ontem, durante assinatura de convênio com o Ministério da Educação, que enviará à Assembléia Legislativa um projeto de lei em regime de urgência pedindo autorização para contratação de 4 mil guardas de muralha. Treinados pela Polícia Militar, mas vinculados à Secretaria de Administração Penitenciária, esses funcionários substituirão os policiais na segurança das 77 unidades prisionais de São Paulo."Com isso, teremos condição de liberar os 4 mil policiais para atuar na rua, protegendo a população", argumentou Alckmin. Caso seja aprovada a proposta, o governador espera treinar mil guardas de muralha por ano.Com os encargos, cada um deles custará cerca de R$ 1 mil ao Estado. Os guardas, que atuarão armados nas guaritas dos muros dos presídios, serão supervisionados por oficiais da Polícia Militar, que também terão responsabilidade por seu treinamento.Até o fim deste ano, com a aprovação da proposta, o governador espera entregar à Secretaria da Administração Penitenciária os primeiros guardas de muralha, que terão salários comparáveis aos dos guardas de presídio. Alckmin afirmou, ainda, que na próxima semana será concluída a formação de 800 investigadores e 190 delegados da Polícia Civil, que começarão a atuar imediatamente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.