Clientes de bares bebem menos e adotam táxi

Clientes de bares paulistanos mudaram de hábito por causa da nova legislação. "A lei é uma reeducação social", disse o administrador de empresas Cyro Sá, de 53 anos, que estava em um bar da Vila Madalena, anteontem. Sua filha, Gisella Sá, de 20, admitiu que mudou de postura. "Se não fosse a lei, hoje (quinta-feira) estaria bebendo chope, e não suco."A nova conduta afeta estacionamentos e serviços de manobristas do bairro. "Os clientes que costumavam vir de carro agora pegam táxi", disse o manobrista Alício Alves de Oliveira, de 29. Segundo ele, o movimento nas garagens da região foi reduzido em até 50%. "Alguns manobristas estão com medo de perder o emprego, pois vai haver cortes."Funcionário de estacionamento na Rua Aspicuelta, Valdeci Vieira Campos, de 28 anos, se matriculou em curso de taxista, prevendo mudança drástica no trabalho da categoria. "Trabalhar como manobrista não dá mais. Se a lei não pegar, pelo menos terei um curso a mais", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.