Clima continua tenso na Febem de Franco da Rocha

O clima continua tenso nas proximidades do portão da Unidade Educacional 25 e Unidade Educacional 29 da Febem, em Franco da Rocha. A unidade, que estava calma apesar das três rebeliões(UE 29 e UE 30), também teve motim a partir da tarde desta sexta-feira.Quatorze funcionários foram mantidos reféns e, de acordo com um menor que falou com areportagem do Estado pelo celular de um monitor, dez ainda estariam em poder dosrebelados, no pátio central. "Não relamos um dedo neles, mas, para nossa própriasegurança, eles estão por aqui ainda. Nosso medo maior é que o Pelotão de Choque da PM entre prá quebrar a gente."A rebelião, de acordo com esse menor, se iniciou na UE 29 e tem como motivos a falta decondições na unidade e a lentidão dos processos. A UE 29 e a UE 25 são unidades deprogressão, o que significa que são o último setor da Febem pelo qual passam osmenores antes da liberdade.Às 20h55, uma funcionária da Febem saiu no portão e falou para um grupo de pais emães de internos reunidos que a rebelião havia acabado e não havia registro de feridosentre menores ou funcionários. Em princípio, os pais, muito aflitos, não acreditaram nainformação. Em cada unidade há cerca de 80 menores, que atearam fogo em colchõese usaram pedaços de ferro para enfrentar os funcionários."Na última rebelião, meu filhotomou uma pancada de um dos monitores e levou sete pontos na cabeça.Preciso saber o que está acontecendo lá dentro", disse, muito angustiada.Uma outra mãe conseguiu falar com seu filho pelo celular. Aliviada, ouviu dele ainformação de que onde estava não havia perigo. "Fica quietinho aí; não se envolve emnada, que nós não vamos deixar o Choque entrar."A assessoria de imprensa da Febem confirmou que a situação já está praticamente normalizada na Unidade Educacional 29.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.