Clínica do Recife dá insulina no lugar de vacina a 17 pacientes

Dez pacientes de hemodiálise e sete funcionários da clínica Pró-Rim tomaram injeção de insulina por engano, na terça-feira, 27, quando deveriam ser vacinados contra hepatite B. A insulina foi ministrada por uma auxiliar de enfermagem. Até esta quinta, o acompanhamento clínico, realizado pela Secretaria de Saúde do Estado, não identificou nenhum tipo de seqüela nas 17 vítimas do erro, que reclamaram de sintomas como tontura, mal-estar e sudorese.A auxiliar de enfermagem, que não foi identificada, será afastada por justa causa, de acordo com a direção da Pró-Rim. O diretor da Agência Pernambucana de Vigilância Sanitária (Apevisa), Jaime Brito destacou, porém, que "a responsabilidade não pode ser computada exclusivamente à falha humana, mas também à clínica". Além de comprovar a denúncia relativa à troca de medicamento ministrado, a equipe da Vigilância Sanitária contatou também que as vacinas contra hepatite B estavam ao lado da insulina, no mesmo freezer. Segundo ele, o Programa Nacional de Imunização proíbe o acondicionamento de vacinas junto com outras substâncias. A Apevisa irá instalar processo sanitário e a Pró-Rim poderá sofrer de advertência a interdição.A vacina contra hepatite B é ministrada, como rotina, tanto para pacientes como para quem trabalha em setor de hemodiálise. A Pró-Rim funciona em um prédio alugado na Santa Casa de Misericórdia, no bairro de Santo Amaro, no Recife.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.