Clínica onde Vinhas foi operado é multada

A clínica Interplástica, em Botofago, zona sul do Rio, onde o pianista Luiz Carlos Vinhas foi operado e teve posteriormente uma parada cardíaca, recebeu hoje, duas autuações da Vigilância Sanitária Estadual por apresentar irregularidades em suas instalações. Ficou constatado que não havia farmácia e farmacêutico na instituição e foram encontrados medicamentos com prazos de validade vencidos. A Vigilância Sanitária também determinou que a clínica só pode realizar cirurgias de pequeno porte, com a utilização de anestesia local. O valor das multas ainda não foi calculado mas o mínimo é de R$ 2 mil.Também foi constatada a falta de uma sala de recuperação para o pós-operatório. Não havia pontos de oxigênio em todos os quartos, assim como não havia material para reanimar pacientes em todos os andares.O Conselho Regional de Medicina do Rio de Janeiro (Cremerj) abriu sindicância para apurar as circunstâncias da morte de Vinhas e requisitou o prontuário do artista, com todos os procedimentos tomados na cirurgia e no pós-operatório. Em cerca de 30 dias deverá estar pronto o relatório sobre o caso que será analisado por 42 conselheiros do Cremerj. Os médicos indicarão se deverá ser aberto um processo ou se o caso será arquivado.A família do artista não quis se pronunciar sobre o assunto. "Não estamos pensando neste assunto agora", afirmou o único filho do artista, André Luiz, de 36 anos. Ele disse que vai trabalhar para que a obra de seu pai não fique perdida. "Vamos terminar de escrever o livro sobre a sua carreira, e vamos catalogar todo o material que temos", disse. O filho do pianista disse que pretende organizar um tributo a Vinhas no dia 6 de setembro, no Beco das Garrafas. "Ele faria um show neste dia. Agora vamos mobilizar gente para fazer uma homenagem", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.