Clonados celulares rurais para contatar presidiários

Celulares habilitados na zonarural de municípios da região de Sorocaba, a 92 quilômetros deSão Paulo, estão sendo clonados e usados provavelmente para acomunicação com presidiários. Pelo menos 16 vítimas procuraram aPolícia Civil nas últimas semanas para denunciar o golpe. Destas, 13 são do município de Pilar do Sul, 2 de Salto de Pirapora e 1de São Miguel Arcanjo. Nas contas, apareceram centenas de ligações que elasnunca fizeram para cidades da Grande São Paulo, Baixada Santistae interior do Estado. A polícia observou que as chamadas sãofeitas invariavelmente para outros telefones celulares e asáreas de destino são cidades que abrigam penitenciárias. Segundoa delegada de Pilar do Sul, Elisabete Molina, um agricultorrecebeu uma conta de R$ 8,3 mil. Na maioria dos casos, as contas variam entre R$ 2 mil eR$ 4 mil, muito acima do que os assinantes pagam normalmente.Num dos casos, foram feitos 60 telefonemas em um único dia. Oproprietário desse celular raramente fazia ligações. A políciapediu ajuda à empresa Telefonica para descobrir como o golpeestá sendo aplicado. Algumas vítimas lembraram terem sidocontatadas por um suposto funcionário da operadora a pretexto dereprogramar o aparelho. A delegada vai pedir à Justiça quebra do sigilotelefônico. No fim do ano passado, em Sorocaba, mais de 200telefones fixos foram reprogramados para comunicação compresídios do Rio de Janeiro. Os golpistas usavam ameaças ou sefaziam passar por funcionários da operadora para obrigar osdonos da linha a digitar um código que transferiaautomaticamente as chamadas para outro telefone. Além deimpossibilitar a identificação do autor da ligação, a vítima dogolpe arcava com a conta.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.