Clube da Prefeitura no Paraíso está deteriorado

Moradores de rua usam Modelódromo como moradia e a atuação dos flanelinhas é livre; Conseg diz que lugar abriga suspeitos de furtos

Camilla Haddad e Fabricio de Castro, O Estadao de S.Paulo

23 de março de 2009 | 00h00

A família de Diva, de 50 anos, se reúne todas as manhãs no Clube Desportivo Modelódromo Ibirapuera, no Paraíso, zona sul. O encontro não inclui atividades de lazer. Ela e os filhos tomam banho no tanque de nautimodelismo e lavam suas roupas. Moradores do bairro afirmam que o local está abandonado pela Prefeitura e serve como moradia irregular e atrativo para flanelinhas. No começo do mês, o Conselho de Segurança (Conseg) da região e a Associação dos Amigos das Praças da Rua Curitiba, onde está localizado o Modelódromo, entregaram um ofício no 36º Distrito Policial (Paraíso) solicitando providências. A Secretaria Municipal de Esportes Lazer e Recreação nega que o clube esteja deteriorado e afirma ter um projeto de revitalização para o espaço público."A qualquer hora do dia tem gente tomando banho aqui e o local virou ponto de usuários de droga", afirma o presidente do Conseg Paraíso, Douglas Melhem Junior. O ofício denuncia ainda que o clube tem abrigado suspeitos de furtos e roubos cometidos na região. A reportagem esteve no clube e encontrou diversos moradores tomando banho. Alguns até penduravam roupas lavadas em grades. Em uma outra parte do espaço havia um fogão improvisado onde as pessoas preparavam comida. O mato também estava alto e havia lixo por toda parte. Na entrada do Modelódromo, uma única guarita está desativada. Um funcionário encontrado no dia informou que "zela" pelo lugar, mas não é segurança. A dona de casa Maria Tereza Souza, de 45 anos, passeava com os cachorros por volta do meio-dia da última quarta-feira. Ela conta que vive na região há dez anos e nunca notou qualquer modificação por parte da Prefeitura. "Nós, que pagamos nossos impostos, não podemos circular pela rua com medo desse pessoal", diz. Ao lado do clube existe uma escola municipal. Os pais dos alunos também criticaram a frequência no lugar. "A gente sente medo. Quando escurece não dá nem para passar", contou um dos pais, que preferiu não se identificar. CPIEm julho de 2005, o Clube Modelódromo foi alvo de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) na Câmara dos Vereadores. Na ocasião, os problemas relatados eram os mesmos vistos recentemente. Consultado, o delegado titular do 36º DP (Paraíso), Adilson Aquino, informou, por meio da Assessoria de Imprensa da Polícia Civil, que não abrirá inquérito, mas poderá chamar diretores para depor.No domingo passado, a reportagem esteve novamente no Modelódromo e flagrou flanelinhas agindo livremente na porta do clube. As cobranças por vagas variam entre R$ 5 e R$ 10.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.