CNBB condena distribuição de camisinhas no carnaval

O presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), d. Geraldo Majella Agnelo, disse, nesta quinta-feira, que a distribuição no carnaval de preservativos e da pílula do dia seguinte pelos órgãos públicos é um "incentivo à promiscuidade e um desrespeito às famílias." Segundo ele, a CNBB não é contra que os fiéis se divirtam no carnaval, mas pediu para que as pessoas respeitem o próximo. Para d. Geraldo, a missão da Igreja Católica é mostrar o "caminho reto", mesmo que as autoridades públicas de saúde continuem pregando a distribuição de métodos contraceptivos. O secretário-geral da CNBB, d. Odilo Pedro Scherer, disse que já foi "comprovado pela ciência" que a pílula do dia seguinte é "abortiva". Na sua avaliação, as grandes campanhas de distribuição de métodos contraceptivos acabam sendo um "incentivo à prostituição" de mulheres e crianças.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.