CNI critica declaração de Lula sobre aumento de lucros no setor produtivo

O presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Carlos Eduardo Moreira Ferreira, comentou nesta quinta-feira, 24, as declarações feitas quarta à noite pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, antes do jantar com empresários, sobre aumento de lucros do setor produtivo. Segundo Lula, pela primeira vez, as empresas produtivas tiveram lucro maior que os bancos, e isso demonstra que "valeu a pena investir no Brasil"."A visão do presidente é de apenas alguns setores da economia que realmente vão bem, porque estão exportando mais e estão sendo beneficiadas por cenário externo favorável", ponderou Ferreira, durante apresentação do documento "Crescimento, a Visão da Indústria", que a CNI pretende entregar a todos os candidatos à Presidência da República.Ferreira criticou o fato de os candidatos ainda não terem falado explicitamente sobre como pretendem enfrentar vários dos temas considerados prioritários pela indústria e, também, a falta de compromisso demonstrada pelo Congresso Nacional com os problemas do País. "Muitos políticos parecem estar mais preocupados com suas reeleições do que com uma agenda para o País crescer. Por causa disso, fizemos reformas da Previdência modestas e tivemos propostas de reforma tributária que não saíram por falta de vontade política", afirmou. Ele ainda acrescentou mais uma provocação: "Ficamos, assim, de medida provisória em medida provisória, de CPI em CPI, prisão aqui e ali. E cadê a operação do crescimento?"No documento que pretende enviar aos candidatos ao Palácio do Planalto, a CNI destaca como principal entrave ao desenvolvimento do País o baixo crescimento econômico. Segundo o estudo, nos últimos dez anos, o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro cresceu 22,4%, enquanto o crescimento médio da economia mundial foi de 45,6% no mesmo período. O estudo afirma que, se o País continuar com esse desempenho da última década, "serão necessários 100 anos para o Brasil dobrar sua renda" e atingir a renda per capita atual de Portugal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.