CNJ afirma que condições de presídio são ''medievais''

Autoridades do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) que inspecionaram ontem a Casa de Custódia de Viana, no Espírito Santo, relataram que as condições do presídio são "medievais". Os pavilhões estão destruídos, não há mínimas condições de higiene e existem denúncias de tortura e até de esquartejamento no presídio. Horas antes da chegada dos juízes ao local foi registrado um homicídio na prisão. Uma investigação será realizada para descobrir se o morto foi vítima de tortura. De acordo com uma das autoridades que participaram da visita à unidade, é cogitada a interdição ou até mesmo a implosão do presídio. Integrantes do CNJ deverão passar a semana no Estado inspecionando presídios. O presidente do CNJ e do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, deve chegar a Vitória no sábado para anunciar as medidas para tentar resolver o problema. A Casa de Custódia de Viana tem capacidade para 400 presos, mas abriga 1,2 mil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.