Reprodução
Reprodução

AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

CNJ pune juíza que manteve garota de 15 anos presa em cela masculina no PA

Magistrada recebeu pena de disponibilidade, que a proíbe de exercer suas funções, podendo ser convocada a atuar depois de pelo menos dois anos

O Estado de S.Paulo

12 de outubro de 2016 | 12h27

SÃO PAULO - O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) decidiu punir administrativamente a juíza que manteve uma adolescente de 15 anos presa por 26 dias em uma cela masculina com cerca de 30 homens, em Abaetetuba, no interior do Pará, em 2007. A magistrada recebeu pena de disponibilidade, que a proíbe de exercer suas funções, podendo ser convocada a atuar depois de pelos menos dois anos.

No dia 7 novembro de 2007, a magistrada Clarice Maria de Andrade recebeu um ofício da polícia do Pará, solicitando a transferência "em caráter de urgência" da adolescente, presa na delegacia da cidade. A justificativa era que a garota corria "risco de sofrer todo e qualquer tipo de violência por parte dos demais".

Segundo o CNJ, a juíza só teria pedido a transferência da menina para outra unidade unidade prisional no dia 20, em ofício enviado para a Corregedoria de Justiça do Pará. Em sua defesa, a magistrada disse ter delegado a um servidor a tarefa de comunicar o caso à Corregedoria ainda no dia 7. A justificativa teria sido desmentida por funcionários e por perícia no computador do servidor, diz o CNJ.

Em seu voto, o relator do processo administrativo Arnaldo Hossepian afirmou não ser "admissível" que a juíza  tenha delegado o comunicado ao seu subordinado e, depois,  aceitado as "justificativas que, segundo ela, foram apresentadas pelo servidor para postergar o cumprimento", que ocorreu mais de dez dias depois. "Evidente, portanto, a falta de compromisso da magistrada com suas obrigações funcionais", disse. O voto foi seguido pela maioria do plenário.

Em 2010, o CNJ já havia decidido pela aposentadoria compulsória da juíza, mas o Supremo Tribunal Federal (STF) anulou a decisão dois anos depois. "De acordo com os ministros do STF, não havia provas de que Clarice Maria de Andrade tinha ciência da circunstância em que foi cumprida a ordem de prisão da adolescente", diz o CNJ. "Na oportunidade, o Supremo determinou que o CNJ analisasse o caso novamente." A reportagem não conseguiu contato com o Tribunal de Justiça do Pará, nem com a magistrada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.