Coadjuvantes para Netinho

Com tumulto, Dilma não vai à caminhada, cuja atração principal foi o apresentador de TV

, O Estado de S.Paulo

08 de julho de 2010 | 00h00

Planejada para ser o primeiro ato de campanha oficial do PT em São Paulo, a rápida caminhada pelo centro da capital com a presidenciável Dilma Rousseff não contou inicialmente com a presença da petista.

Por causa do tumulto no trânsito, empurra-empurra e falta de organização, a candidata chegou de carro ao Pátio do Colégio e só se juntou aos demais candidatos ? Aloizio Mercadante, que disputa o governo do Estado, Marta Suplicy (PT) e Netinho de Paula (PC do B), ambos candidatos ao Senado ? já na Praça da Sé, onde todos discursaram em cima de um carro de som. Dilma estava acompanhada do candidato a vice-presidente, Michel Temer (PMDB).

Mercadante e Netinho chegaram à Praça do Patriarca, no centro de São Paulo, por volta de meio-dia. Foram logo cercados pela imprensa, militantes e fãs do cantor e apresentador de TV, que encara a primeira disputa eleitoral com ar de celebridade. "Netinho maravilhoso, gostoso", gritavam fãs do candidato.

"É o Netinho?", perguntavam vendedores da Rua Direita que observavam a confusa caminhada em que um truculento cordão humano de militantes isolava os candidatos e ditava o ritmo dos passos. "É Lula que está ali?", indagavam pedestres que passavam pelo local ao ver bandeiras do PT, mas sem condições de enxergar os candidatos petistas.

Marta chegou um pouco antes de Mercadante e também teve dificuldades para se juntar ao grupo. Segundo dirigentes do PT paulista, foi preciso adotar um "plano B" para Dilma se juntar ao evento, já que não era esperado um público tão grande.

Ao discursar, Netinho, o mais popular entre os candidatos, disse que pela primeira vez será eleito "um negrão para o Senado". Ele pediu ainda votos para o "mano Mercadante", Dilma e Marta.

Segundo a organização do evento, havia cerca de 4 mil pessoas na Praça da Sé, local dos discursos. Policiais militares estimaram o público em cerca de mil pessoas. / M.D

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.