Cobrança indevida

Minha conta com a NET vencia em 15 de julho e foi paga na véspera. Dois dias depois, começaram a ser feitas as cobranças, às vezes até duas vezes ao dia, pelo telefone. Então liguei para a NET para informar a empresa de que a conta tinha sido paga. Nesse período, a internet foi desligada por três vezes. Para religá-la, tive de entrar em contato com a empresa e discutir com o pessoal de atendimento. Em meados de agosto, um funcionário da NET ligou e pediu os números do recibo para que ele consultasse no sistema e informasse ao banco para que desse baixa nessa cobrança. Mas nada foi feito e as cobranças continuaram. No dia 11 de agosto, deixei de trabalhar porque passei o dia todo ao telefone para, mais uma vez, tentar resolver o problema. Liguei para a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) e fiz duas reclamações. No dia 12 a NET ligou propondo um acordo. Pedi para que fossem descontados R$ 150 na conta seguinte, que veio no valor de R$ 328. Um funcionário alegou que o único jeito seria descontar R$ 50 nas próximas três contas. Não achei justo esperar tanto depois do constrangimento que passei. Então ele disse que eu deveria procurar outros meios para ser ressarcida. Acabei de receber uma carta de cobrança dizendo que, se em 10 dias não regularizar a conta, meu nome será inscrito na Serasa e o NETfone será bloqueado! MARIA DE FÁTIMA RUSSO FAVA São Paulo A NET São Paulo esclarece que entrou em contato com a sra. Maria de Fátima, no dia 21 de agosto, e prestou esclarecimentos dos procedimentos praticados pela empresa. Sem medidor, mas... Quando tive suspeita de vazamento de gás em meu apartamento, solicitei a visita da Comgás, que retirou, no início de maio, meu relógio medidor. Após avaliar os serviços necessários para adequar minha tubulação, decidi mudar de matriz energética, substituindo o equipamento a gás por elétrico.Solicitei o bloqueio definitivo do gás no dia 25 de maio. Após vários contatos com o Atendimento ao Cliente, recebi a confirmação de que o bloqueio estava formalizado e que uma conta residual seria emitida. Essa conta residual foi emitida e paga. Mas outra conta referente a 75 dias de consumo foi emitida em 22/7! Após reclamar com a empresa e tentar entrar em contato com a Ouvidoria, em vão, recorro à intermediação do jornal para que a Comgás - eficiente em não fornecer serviço - regularize minha situação. HENRIQUETA GIOLITO PORTO São Paulo A Comgás não respondeu. A leitora comenta: Não recebi nenhuma satisfação da Comgás. O tratamento dispensado ao seus clientes beira o desrespeito ou será mera incompetência? Entendo que a empresa deva declarar o equívoco da cobrança e manifestar não haver dívida, posto que não há nem sequer relógio medidor instalado desde maio e a conta residual foi devidamente paga. Título de capitalização Em 2007 adquiri um título de capitalização do Banco Caixa Econômica Federal (CEF) e, quando fui resgatar o dinheiro, fui informado de que ele já tinha sido retirado. Isso não é possível, pois possuo o cartão e o contrato. Telefonei para a Ouvidoria da CEF no final de junho relatando o problema, mas, como não recebi nenhuma resposta, escrevi ao jornal. Estou achando que deve haver algo errado por trás de tudo isso. AGOSTINHO LOCCI São Paulo A Caixa Capitalização informa que o cliente sr. Locci deverá encaminhar seu título original de capitalização aos cuidados da Caixa Capitalização S.A. (Caixa Postal 09517, CEP 70.040-976 Brasília-DF). Caso a empresa verifique a validade do documento, o valor pago durante a vigência do produto será devolvido, devidamente atualizado. A empresa esclarece que as casas lotéricas efetuam o resgate somente após a apresentação dos documentos pessoais do titular e do título original - que deve ser retido e dilacerado pelo atendente no ato do pedido de cancelamento. Além de resguardar os direitos do titular, a medida tem por objetivo assegurar a comercialização do produto SuperxCap vendido nas lotéricas. A empresa se coloca à disposição para esclarecer outras dúvidas. Medida eficaz Sensacional a performance das autoridades que cuidam do trânsito na capital. Quase um mês após a proibição da circulação dos ônibus fretados, conseguiram que o motorista que gastava com seu veículo duas horas diárias para ir ao seu trabalho, agora gaste somente 120 minutos. JOSÉ MILLEI São Paulo As cartas devem ser enviadas para spreclama.estado@grupoestado.com.br, pelo fax 3856-2940 ou para Av. Engenheiro Caetano Álvares, 55, 6.º andar, CEP 02598-900, com nome, endereço, RG e telefone, e podem ser resumidas. Cartas sem esses dados serão desconsideradas. Respostas não publicadas são enviadas diretamente aos leitores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.