Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Coca-Cola fecha fábrica em Araçatuba

A fábrica da Coca-Cola em Araçatuba parou de funcionar. A paralisação das atividades foi comunicada na última sexta-feira aos 260 funcionários, dos quais 90 serão demitidos. Instalada na rodovia Elyeser Montenegro Magalhães, área urbana de Araçatuba, a fábrica funcionava desde 1986 e pertencia ao grupo Spaipa, com matriz no Paraná. De agora em diante, as instalações servirão apenas como centro regional de distribuição de produtos Coca-Cola feitos em outras fábricas do grupo Spaipa, localizadas em Marília, Maringá e Curitiba. Em Araçatuba eram produzidos exclusivamente refrigerantes em embalagens retornáveis, de 290 mililitros e 2 litros. Com o domínio do mercado pelas embalagens descartáveis, a fábrica tornou-se obsoleta e antieconômica, segundo o gerente regional de vendas Carlos César Barbero. "Alguns equipamentos da linha de produção poderão ser reaproveitados nas outras unidades do grupo, mas outros simplesmente serão aposentados", disse Barbero. O declínio da fábrica de Araçatuba foi muito rápido, tanto que há apenas dois anos ela operava com sua capacidade máxima, 700 mil caixas/mês, e ganhou um prêmio nacional da Coca-Cola por produzir o refrigerante de melhor qualidade da marca no Brasil no ano de 1999. Neste ano, apesar da redução da produção para 300 mil caixas/mês, a fábrica conquistou o quarto lugar no ranking nacional de qualidade do refrigerante, segundo Dulce Ferreira, tesoureira do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação de Araçatuba. Dulce passou a manhã de hoje fazendo telefonemas para diretores do grupo Spaipa, como última tentativa de reverter o fechamento da fábrica. Ela apelou até para a prefeitura de Araçatuba. "Infelizmente, parece que não há mais nada a ser feito", lamentou a sindicalista, contando que na sexta-feira, ao serem informados sobre o fechamento da fábrica, muitos trabalhadores não aguentaram a emoção e choraram.Os 90 demitidos ganhavam salários entre R$ 415,00 e R$ 1,2 mil. Carlos Barbero informou que os direitos trabalhistas dos demitidos começarão a ser pagos amanhã. Para aliviar o sofrimento dos trabalhadores, o grupo Spaipa comprometeu-se a estender o plano de saúde de todos até o final de outubro, além de conceder uma cesta básica extra e R$ 200,00 em tíquetes-alimentação para cada um. "Também contratamos uma empresa para recolocar os demitidos no mercado de trabalho", disse Barbero. No entanto, para o Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação, os operários dispensados dificilmente encontrarão colocação na mesma atividade. "Não há outras indústrias do ramo na região", disse Dulce. Segundo ela, a fábrica da Coca-Cola era o segundo maior empregador de mão-de-obra na área de produtos alimentícios em Araçatuba, só perdendo para a Parmalat, que tem uma indústria de enlatados no município.

Agencia Estado,

13 de agosto de 2001 | 15h48

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.