Cofre de Ribeirão Pires estava quebrado

Uma sequência de fotos realizada logo após o roubo do Centro de Treinamento Tático (CTT), em Ribeirão Pires, na Grande São Paulo, revela que o cofre no qual eram guardadas as armas estava com a catraca do segredo quebrada. Ela estava colada com fita adesiva. Na quinta-feira, criminosos invadiram o CTT e levaram, segundo a Secretaria da Segurança Pública (SSP), 22 fuzis e 89 pistolas. Com a catraca do segredo quebrada, o cofre era aberto apenas com a chave. Segundo a reportagem apurou, o cofre não tinha capacidade para armazenar todas as armas que estavam no centro de treinamento. Muitas estavam em prateleiras.De acordo com policiais civis e militares, que frequentam o CTT, que fica no terreno pertencente à Companhia Brasileira de Cartuchos (CBC), a maior fabricante de munições do Brasil, a catraca da porta do cofre está quebrada há cerca de um ano. Nos fundos do local ainda existiriam problemas de segurança.Segundo a SSP, cinco pessoas prestaram depoimento na Delegacia Seccional de Santo André , que é responsável por Ribeirão Pires. O Comando de Operações Especiais (COE) localizou até agora apenas uma pistola .40, um revólver calibre 22 e um Magnum 357 (esses dois últimos podem ser dos criminosos ou de alunos do CTT), além de um um molho de chaves do Centro, uma touca ninja e uma bolsa. O Exército notificou os proprietários do Centro. A partir desta segunda-feira, os responsáveis têm o prazo de 15 dias para explicar a dinâmica do roubo e o esquema de segurança local. Em caso de falha, a autorização para o funcionamento poderá ser cassada. Ninguém do CTT foi localizado ontem para comentar o caso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.