Colegas de policiais mortos por sequestrador estão revoltados

O clima é de revolta e tristeza no 91º Distrito Policial do Ceasa, na zona oeste de São Paulo, onde prestavam serviço os dois policiais que morreram hoje à noite na troca de tiros com o possível sequestrador de Patrícia Abravanel, Fernando Dutra Pinto, em Barueri, na Grande São Paulo. Um terceiro policial, ferido, também faz parte da equipe. Tamotsu Tamaki, de 45 anos, e Marcos Bezerra morreram no tiroteio. Reginaldo G. Nardi, ferido no ombro, foi socorrido ao Hospital das Clínicas.Segundo o delegado de plantão, Moisés Márcio Mendes, 57 anos, Tamaki não fazia parte da chefia de investigadores. Ele trabalhava internamente e, por volta das 14 horas, foi convocado pelo chefe dos investigadores para reforçar uma diligência. Marcos Bezerra e Reginaldo Nardi fazem parte da equipe de Chefia de Investigadores.A amiga de trabalho de Tamaki, Denise, disse que ele era casado com uma policial e tem filhos. ?Estou chocada. Ele era meu amigo pessoal, uma pessoa super tranquila.? Denise informou que os dois que morreram prestavam serviços no 91º DP há quatro anos.Segundo Mendes, o delegado titular do distrito, Armando Roberto Belio, está acompanhando a operação policial em Barueri, e somente ele tem todas as informações sobre o caso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.