Coleta de lixo

A empresa de coleta de lixo domiciliar da Prefeitura de São Paulo deixou de recolher o lixo diariamente em meu condomínio alegando que não faz coleta em grandes quantidades. Telefonei para o 156 e funcionários retornaram dizendo que o condomínio que eu administro terá de contratar uma empresa para fazer a coleta. Acho que, mesmo que haja respaldo legal (o que eu acho um absurdo, porque os proprietários dos imóveis pagam IPTU), a administração do prédio deveria ser formalmente informada e ter um prazo razoável para que essa providência fosse tomada. O prédio fica na região central de São Paulo e todo o lixo tem ficado na rua, causando transtornos, acúmulo de insetos, falta de espaço nas calçadas e, com as chuvas, entupimento de esgotos.SOLANGE HAYASHI LONGOSão PauloO Departamento de Limpeza Urbana (Limpurb) esclarece que agentes vistores compareceram ao local no dia 23/4 e foi constatado que se trata de um condomínio comercial que gera acima de mil litros de resíduos sólidos por dia - considerado um grande gerador. O limite estabelecido para a coleta domiciliar é de 200 litros. Assim, conforme a Lei n.º 13.478/02, artigo 140, e o Decreto n.º 48.251/07, os grandes geradores devem se cadastrar no Limpurb e contratar empresas especializadas para realizar a coleta. Os agentes vistores orientaram o condomínio, assim como a sra. Solange, de como proceder, estipulando o prazo de 20 dias para a regularização. Durante esse período, a concessionária da região ficará responsável pela coleta. Assessoria de Imprensa da Secretaria Municipal de Serviços Descaso públicoDesde o dia 13 de fevereiro, a rua onde resido, no bairro Santa Inês, está sem iluminação pública. Entrei em contato com a Prefeitura no dia 16 de fevereiro, que me forneceu o número de protocolo, mas até agora nada foi feito. Minha indignação é porque já houve assalto na rua e ela fica num bairro militar da cidade. No dia 9 de março entrei no site da Prefeitura e fiz uma reclamação na Ouvidoria. Outro protocolo. No dia 10 entrei no site para acompanhar a solicitação e havia a seguinte resposta: "A equipe de manutenção esteve no local e não localizou defeito na rede de Iluminação Pública." É impossível receber um tratamento digno da Prefeitura de São Paulo, por isso recorro ao jornal.SERGIO CARDOSO São PauloA Assessoria de Imprensa da Secretaria Municipal de Serviços informa que uma equipe de manutenção do Departamento de Iluminação Pública (Ilume) compareceu à Avenida Capitão José Parada Gonçalves, no dia 24 de abril, e rearmou a proteção, normalizando a situação da via.Trânsito no limiteEm São Paulo os administradores tomam decisões desacertadas sobre o trânsito. O Japão, por exemplo, sobretaxa veículos acima de 15 anos de uso, já que são os que mais poluem e dão mais panes, gerando engarrafamentos. Na cidade de São Paulo, em vez de rodízios de carros e caminhões, deveriam retirar das ruas os carros problemáticos. As vistorias para carros com mais de 5 anos de uso deveriam ser obrigatórias e, quanto mais velho, mais rigorosas. Poderiam implantar a seguinte medida: leiloar o veículo de quem tiver multa acima do valor do carro. Carros velhos ficam apodrecendo nos pátios do governo até virar sucata, ocupando espaço que poderia ser usado para outros fins. Essas medidas melhorariam realmente o trânsito e deixariam as estradase a cidade mais seguras.HUGO FERREIRABelo HorizontePosto em manutençãoA Base Comunitária da Polícia Militar, que há anos estava estrategicamente instalada no meio da Praça do Correio e inibia a ação dos marginais, agora está praticamente escondida sob o Viaduto Santa Ifigênia. Em virtude disso, a insegurança no local aumentou consideravelmente. Gostaria que as autoridades revissem essa medida.LUCAS FREITASSão Paulo A Sala de Imprensa da Polícia Militar do Estado de São Paulo informa que o Posto Policial localizado na Praça do Correio foi retirado provisoriamente, pois está passando por manutenção. Esclarece que foi colocada, então, uma Base Comunitária Móvel próximo ao Viaduto Santa Efigênia. Há ainda, diz, o efetivo do Policiamento Comunitário e reforços do Policiamento com Bicicletas, do policiamento com motos (Rocam) e dos demais Programas de Policiamento. Cabe ressaltar que, assim que for concluída a manutenção, o posto policial retornará ao local de origem.As cartas devem ser enviadas para spreclama.estado@grupoestado.com.br, pelo fax 3856-2940 ou para Av. Engenheiro Caetano Álvares, 55, 6.º andar, CEP 02598-900, com nome, endereço, RG e telefone, e podem ser resumidas. Cartas sem esses dados serão desconsideradas. Respostas não publicadas são enviadas diretamente aos leitores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.