Colisões aéreas são muito raras, diz site

Colisões aéreas como a ocorrida na sexta-feira, 29, entre um Boeing 737-800 da Gol e um jato Legacy, no Pará, são muito raras. Segundo o Air Safe, site de consultoria de aviação comercial e que contabiliza tragédias aéreas em todo mundo, desde 1960 apenas 15 acidentes fatais entre aeronaves em pleno vôo foram registrados.O primeiro aconteceu em maio de 1960, na França, com apenas um morto; já o último, ocorrido em julho de 2002, na Alemanha, teve um saldo de mais de 60 mortos.EstatísticasAinda segundo o banco de dados do site, 58 Boeings 737 estiveram envolvidos em acidentes com fatalidades desde a década de 1970. Um dos mais graves aconteceu nos Estados Unidos, em 1994, quando a aeronave saiu do controle a 1.830 metros de altitude. Todos os seis tripulantes e 127 passageiros morreram.Já a Fokker tem registrado 25 acidentes em sua história, 21 com o modelo F28 e quatro com o F100. Dos quatro acidentes com Fokkers 100, três ocorreram no Brasil, matando 98 pessoas entre os anos 1996 e 2001.A Embraer também está presente no banco de dados da Air Safe. Segundo o site, entre os anos de 1975 e 2004, 34 aeronaves da empresa brasileira se acidentaram, matando 950 pessoas.Maiores acidentesSegundo o site, o maior acidente envolvendo aviões foram os ataques terroristas praticados por membros da Al-Qaeda nos Estados Unidos em 11 de setembro de 2001. Ao todo quatro aviões foram seqüestrados, três deles usados como arma para atacar as torres do World Trade Center e o Pentágono e um derrubado pelos próprios passageiros. Cerca de 3 mil pessoas morreram.O segundo maior acidente aconteceu em 1977 nas Ilhas Canárias. Dois aviões, um 747 e uma aeronave da Pam Am, se chocaram enquanto decolavam, matando 585 pessoas.Já o pior acidente aéreo nacional aconteceu em 1982, em Fortaleza (CE), com um avião da Vasp, matando 137 pessoas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.