Com 335 mil peregrinos inscritos, JMJ do Rio pode superar a de Madri

Expectativa é que número aumente até o final de semana; 'Sabemos que é costume do brasileiro chegar sem inscrição prévia', diz freira

Rodrigo Burgarelli/RIO, O Estado de S. Paulo

23 Julho 2013 | 14h42

Cerca de 335 mil peregrinos vindos de 175 países se inscreveram para participar da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) do Rio. Os números totais foram divulgados nesta terça-feira, 23, pela organização do evento. Como as inscrições ainda estão abertas até o fim de semana, a expectativa é de que o número de inscritos supere o da última edição, em Madri, onde 415 mil pessoas se inscreveram oficialmente em 2011, sem contar os voluntários.

Segundo a irmã Shaiane Machado, diretora de Inscrições da JMJ, a organização acredita que vários brasileiros que ainda não chegaram ao Rio devem fazer suas inscrições ao longo da semana. "Sabemos que é costume do brasileiro chegar sem inscrição prévia. Como muita gente vai vir só para o fim de semana, ainda teremos muitas inscrições até lá", afirmou.

Os organizadores do evento não souberam informar quantas inscrições houve nas edições anteriores da Jornada, que começou em 1986, em Roma. Os únicos números informados pela Igreja são os do total de participantes nos principais eventos, que agrega também os moradores das cidades-sede e quem viajou sem fazer inscrição oficial. O recorde até hoje é de Manila, capital das Filipinas, que recebeu a JMJ em 1995, com 5 milhões de pessoas. Madri e Roma registraram 2 milhões.

No Rio, a estimativa é que entre 2 milhões e 2,5 milhões participem das atividades ao longo desta semana. A nacionalidade com mais inscritos até agora, com 220 mil jovens, é a brasileira. Desses, 60%, são provenientes da Região Sudeste. "A facilidade de transporte ajuda", disse a irmã Shaiane. Após o Brasil, vem a Argentina, terra natal do papa Francisco, com 23 mil inscritos. Seguem então outros países, como EUA (10,8 mil), Chile (9,2 mil), Itália (7,7 mil) e Venezuela (6,2 mil). Depois, vêm França, Peru, Paraguai e México. As  mulheres são maioria (56%) e a faixa etária média é de 14 e 25 anos. Mas 10% dos peregrinos que se inscreveram oficialmente têm mais de 45 anos. "O que importa é ter um coração jovem", afirmou a religiosa.

A maior parte dos peregrinos que vieram para a JMJ está se hospedando em instituições e entidades cadastradas pela Igreja. São 227 mil vagas nessa situação, para  dormir em escolas, paróquias e outros locais espalhados pelo Rio e por outros municípios da região metropolitana. Outros 127 mil deverão ficar em casas de família, que se voluntariaram nas paróquias locais. "O número de peregrinos poderia ainda ser maior. Estamos com uma crise na Europa, e o custo de uma viagem internacional dessas é muito alto", disse a irmã Graça Maria, diretora de Hospedagem da JMJ.

Mais conteúdo sobre:
Papa jornada Rio

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.