Com 34 quilos, jovem de 23 anos morre em Jaú

Uma estudante de 23 anos morreu na noite deste domingo em Jaú (SP) após sofrer duas paradas cardíacas decorrentes de uma anorexia nervosa que a acometia havia anos, segundo amigos e alguns familiares. Beatriz Cristina Ferraz Lopes Bastos foi enterrada na tarde desta segunda-feira, no cemitério municipal. Familiares evitaram dar informações sobre o histórico médico da estudante.Apesar de sofrer do problema havia quatro anos, Bia, como era chamada, entrou em crise há três meses, quando chegou a pesar 27 quilos. Hospitalizada, ganhou peso e alcançou os 34 quilos. No entanto, no domingo, enquanto tomava banho, sofreu uma parada cardíaca. No caminho para o pronto-socorro, teve outra e morreu assim que chegou ao hospital. De acordo com o ex-namorado Leandro Murgo, de 28 anos, a estudante tinha sido obesa na adolescência, pesando cerca de 100 quilos, e, após essa fase, passou a fazer um controle absoluto de sua alimentação. Foi emagrecendo demais e, há quatro anos, precisou ser internada. Mesmo assim, ela continuou com hábitos alimentares restritivos, os quais costumava dissimular na frente de outras pessoas. Segundo relato de amigos próximos, ela adoeceu quando baixou até os 27 quilos. Na Santa Casa de Jaú, onde ocorreu a morte, a informação nesta segunda-feira era de que não havia ninguém em condições de dar informações sobre o ocorrido. Em sua página do Orkut, que ainda estava no ar na tarde de ontem, há oito fotos, uma delas quando, aos 15 anos, pesava ?50 quilos a mais?, segundo a legenda. O perfil pessoal publicado a define como ?magra?, mas sua preferência alimentar dizia que era comer de tudo, não ser muito fã de carne vermelha e gostar de comida chinesa e japonesa. Entre os recados postados na página, está o do amigo Luiz Henrique, que anuncia a sua morte. Bia era bacharel em inglês, trabalhava como assistente financeira numa revendedora de veículos da cidade e fazia curso de capacitação em recursos humanos. PolêmicaEm novembro, a modelo Ana Carolina Reston morreu aos 21 anos pesando 40 quilos distribuídos em 1,74 metro. Ela ficou três semanas internada por uma dor nos rins e morreu de infecção generalizada. Alguns dias depois, a estudante de moda Carla Sobrado Cassalle, da mesma idade, morreu em Araraquara, interior de São Paulo, também vítima de complicações desencadeadas pela anorexia nervosa. No início do mês, a manicure Rosana de Oliveira, de 23 anos, de Araçatuba, também em São Paulo, morreu com 38 quilos após três anos convivendo com a doença. Os casos levantaram o debate na sociedade, e no mundo da moda, sobre o problema.Em setembro, a semana de moda de Madri, na Espanha, vetou, pela primeira vez, tops supermagras na passarela. A Sociedade Espanhola de Endocrinologia e Nutrição estipulou que as jovens com índice de massa corporal (IMC) inferior a 18 - 56 quilos para 1,75 metro de altura - fossem cortadas. Com isso, entre 30% e 40% das modelos foram descartadas. Um concurso de miss realizado no México também adotou o mesmo procedimento. E os organizadores da São Paulo Fashion Week, o maior evento da moda nacional, criou algumas novas regras, entre elas, uma campanha contra a anorexia e a bulimia. A mais recente empreitada contra a estética supermagra veio da Itália. O governo e a associação que reúne a indústria da moda italiana estão esboçando um projeto para acabar com o que eles consideram imagens de ?mulheres perigosamente magras?. Giovanna Melandri, a ministra de Políticas para a Juventude, e Mario Boselli, diretor da Câmara Nacional da Moda Italiana, planejam lançar um ?manifesto nacional? em janeiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.