EFE/Ney Douglas
EFE/Ney Douglas

AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

Com 87 homicídios em 11 dias, RN vê média de crimes aumentar com greve de policiais

Aumento é de 40% em relação ao mesmo período do ano passado. Tropas das Forças Armadas já estão atuando desde a sexta-feira na capital potiguar

Ricardo Araújo, Especial para O Estado

30 de dezembro de 2017 | 20h49

NATAL - Em doze dias de paralisação dos trabalhos de policiais civis e militares no Rio Grande do Norte, a média diária de homicídios subiu de 4,83 para 7,25. Do dia 19 de dezembro até este sábado, 30, o número de crimes violentos letais intencionais (categoria que engloba casos de homicídio, latrocínio e lesão corporal seguida de morte) chegou a 87 - aumento de 40,32% em comparação com o mesmo período do ano passado. Os dados são do Observatório da Violência Letal Intencional (Obvio/RN). A Secretaria de Estado da Segurança Pública e da Defesa Social (Sesed/RN) não divulgou dados sobre homicídios até o momento. 

+ Mesmo com Exército nas ruas, crimes continuam acontecendo em Natal

+ Forças Armadas iniciam patrulhamento nas ruas de Natal

O dia mais violento registrado pelo Obvio/RN foi esta sexta-feira, 29. Em todo o Estado, 17 pessoas foram assassinadas, incluindo um idoso de 66 anos, vítima de latrocínio na zona Oeste de Natal. “É preciso estudar o problema macro, as Forças Armadas nas ruas inibirão roubos e furtos nas áreas de atuação, mas os expulsarão para as áreas sensíveis e sem sua presença massiva. Contudo, para o combate aos homicídios necessita de ação de investigação”, avalia Ivênio Hermes,pesquisador do Obvio/RN.

Neste sábado, 30, o ministro da Defesa, Raul Jungmann, lançou em Natal a “Operação Potiguar III”. Ele anunciou o reforço no policiamento ostensivo com 2,8 mil homens do Exército, Marinha e Aeronáutica. Destes, 2,5 mil se distribuirão em Natal e região metropolitana e, 300, irão para Mossoró, a segunda maior cidade do estado, na região oeste. Jungmann criticou os policiais que estão fora do serviço e destacou que todas as medidas para reduzir os índices de criminalidade serão adotadas. 

“A operação prevista terá duração inicial prevista de 15 dias, podendo ser prorrogado ou não, visando restabelecer a ordem e a segurança. Podemos afirmar que a virada de ano no RN será tranquila, e podemos assegurar também aos turistas que podem vir aproveitar todas as belezas e cultura que o Estado oferece”, disse Jungmann. 

Na quinta-feira, 28, um casal de turistas da Argentina foi vítima de assalto na Via Costeira, onde estão localizados os maiores e mais movimentados hotéis da capital. Os bandidos esfaquearam os turistas. O homem teve um dedo amputado e, a mulher, corre o risco de perder o movimento do pescoço. Ambos estão hospitalizados no Pronto Socorro Clóvis Sarinho, em Natal. 

Em Pirangi, praia do litoral Sul do estado, a festa de Réveillon promovida pela Prefeitura de Parnamirim foi cancelada por causa da falta de policiais nas ruas. Em São Miguel do Gostoso, no litoral Norte do estado, e onde será realizado um dos eventos mais badalados do Nordeste, criminosos realizaram um arrastão nesta sexta-feira, 29. Turistas e comerciantes foram alvos dos bandidos. Muitos visitantes desistiram da festa em decorrência da falta de segurança. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.