Com caminhão, dupla rouba remédios em central em Araras

O roubo de remédios da central de distribuição de Araras pode prejudicar o atendimento à população na rede pública de saúde. No início da manhã de quarta-feira, 12, um caminhão encostou na frente do prédio onde são armazenados os medicamentos. Segundo testemunhas, as placas estavam encobertas. Dois homens armados renderam uma funcionária que chegava ao trabalho, por volta das 7 horas. Outros funcionários que chegaram depois também foram rendidos e presos em uma sala.De acordo com o investigador chefe da Polícia Civil de Araras, Fernando Simioneto, os assaltantes, armados com pistolas, conheciam o valor de mercado dos remédios. "Segundo testemunhas, ele escolhiam os mais caros e deixavam os de baixo valor de lado". A polícia suspeita que o crime tenha sido praticado por uma quadrilha especializada, de outra cidade. "Eles estudaram o local e conheciam a rotina". Falta de segurançaSimioneto explicou que não havia segurança no prédio. "Todos foram pegos de surpresa. O assalto passou despercebido. Os vizinhos não perceberam nada porque a movimentação de caminhões é comum na central de distribuição". O roubo durou 1h15, "no máximo", conforme ele. Um amigo de uma das funcionárias rendidas telefonou para ela, mas um dos assaltantes atendeu e disse que tinha encontrado o celular perdido. O amigo estranhou e avisou a polícia, que foi até o local. Mas os bandidos já haviam fugido. Ninguém foi detido ainda. "Estamos investigando, junto com a polícia da região", comentou Simioneto. Ele disse que a prefeitura ainda não havia informado a polícia sobre a quantidade, o valor e que medicamentos foram roubados. Um computador onde estava o controle de estoque também foi levado pelos criminosos. A Secretaria de Saúde informou que pretende abrir uma licitação emergencial para adquirir os medicamentos e evitar que a população seja prejudicada. Segundo a Secretaria, poderão faltar remédios de uso controlado, como calmantes, e de uso contínuo, para tratar hipertensão e diabetes. Não há previsão de quando os estoques serão repostos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.