Com estradas ruins, população do PI pode ser ajudada por avião

Solução, porém, pode não ser tão viável, já que a maioria das pistas nos aeroportos do Estado estão irregulares

Luciano Coelho, especial para o Estado,

07 de abril de 2008 | 16h42

Devido a precariedade da maioria das estradas piauienses, o atendimento aos alagados no interior do Estado pode ser feita por via aérea. O governo estadual analisa esta possibilidade em caráter emergencial, para garantir o atendimento as vítimas das fortes chuvas no menor espaço de tempo possível. O assunto está sendo tratado pela Infraero e pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). O problema é que a maioria dos aeroportos e pistas de pouso no Piauí está irregular.   Veja também: Oito dos nove governadores do Nordeste se reúnem com Lula Chuva mata quatro jovens no Ceará Chuva causa mortes e prejuízo nos Estados nordestinos   Antes de realizar um seminário sobre Segurança de Vôo e Infra-estrutura, em Teresina, o tenente-coronel da Aeronáutica, João Carlos Bieniek, chefe do Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos, confirmou a precariedade das pistas de pouso em vários municípios.   Até aeroportos de grandes cidades como Floriano, Oeiras, Corrente e Bom Jesus, segundo o tenente-coronel, estão em situação irregular. A Anac quer uma parceria com o Ministério Público e as prefeituras municipais para regularizar a situação destes aeroportos. Ainda foram citados problemas nas pistas de Luzilândia, Piripiri, Gilbués, Paulistana, Uruçuí e Picos, que já estão sendo observadas para serem regularizadas pela Anac.   O secretário estadual de Transportes, Luciano Paes Landim, disse que o Estado fez um levantamento de danos das estradas estaduais e federais. O Departamento de Estradas de Rodagem (DER-PI) está de posse do relatório de danos. Ele confirmou que vários municípios estão isolados e tem dificuldade de atendimento, inclusive de abastecimento.   Sobre o abastecimento por aviões, Landim disse que o secretário estadual de Defesa Civil, Fernando Monteiro, está planejando as estratégias de atendimento às famílias flageladas e não está descartada esta modalidade de atendimento."Mas prefiro não me manifestar sobre o assunto, porque a Defesa Civil está adotando todas as medidas necessárias para o socorro às vítimas", afirmou o secretário.   A péssima condição de conservação das pistas dos aeroportos do interior impede o atendimento via aéreo em várias regiões do Estado. A Anac está solicitando ao governo do Piauí que contate os prefeitos das cidades que tem pista de pouso para fazerem manutenção e conversação das pistas para ajudar o atendimento aos desabrigados.

Mais conteúdo sobre:
chuvasNordeste

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.