Com nova lei, PRF prende 38 que dirigiam após beber

Detenções ocorreram três dias depois da sanção presidencial; operações foram feitas em 9 Estados, incluindo São Paulo, onde houve 7 casos

Vitor Hugo Brandalise, O Estadao de S.Paulo

24 de junho de 2008 | 00h00

Três dias após entrar em vigor a lei 11.705, que impõe punições mais duras a quem dirigir após consumir álcool, a Polícia Rodoviária Federal prendeu 38 pessoas e aplicou 80 autuações nos 9 Estados que divulgaram balanços - em São Paulo, 7 foram presos. Conforme a lei, sancionada no dia 19 pelo presidente Lula, quem for flagrado com 6 decigramas de álcool por litro de sangue - equivalente a uma lata de cerveja - responderá criminalmente, sujeito à pena de seis meses a três anos de prisão, com direito à fiança.Além de São Paulo, as estatísticas da PRF são referentes a estradas federais do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Bahia, Alagoas, Minas Gerais, Goiás e Ceará, entre sexta-feira e domingo. As 80 autuações também dizem respeito ao endurecimento da legislação - quem se recusou a fazer o teste do bafômetro foi punido com multa de R$ 955 e suspensão da carta por 12 meses.Antes da sanção da lei, só poderia ser preso quem fosse flagrado embriagado e se envolvesse em acidente ou dirigisse perigosamente. Agora, quem for flagrado em qualquer situação, como em blitze das polícias rodoviária ou militar, também pode ser preso. Além das prisões, está passível de punições administrativas (também de infração gravíssima) qualquer pessoa flagrada com mais de 2 decigramas de álcool por litro de sangue ou 0,1 mg por litro de ar expelido no bafômetro. Isso representa o consumo de qualquer quantidade de bebida alcoólica - podendo variar segundo a altura e o peso da pessoa.Nas rodovias estaduais paulistas, também houve prisões por causa da nova lei: em 24 mil km, entre sexta e domingo, 6 pessoas foram presas. "Casos diferenciados começam a surgir, como o caminhoneiro que foi parado por problemas nas faixas laterais de sinalização e acabou preso por dirigir embriagado", contou o tenente Cláudio Ceoloni, da Polícia Rodoviária Estadual.A nova lei é válida também para qualquer rua das cidades - no perímetro urbano de São Paulo, entre sábado e domingo, foram presas 4 pessoas.Segundo a Polícia Rodoviária Estadual, não são necessários novos equipamentos para se adequar à lei. Para fiscalizar a malha viária estadual, a PRE tem 79 bafômetros, além de outros 30 em testes. Nas federais, a PRF do Estado tem ao menos 30 aparelhos de bafômetro. Em São Paulo, a PM trabalha com 11 aparelhos de bafômetro - segundo a Secretaria de Segurança Pública, outros 40 já foram adquiridos e aguardam homologação. Em São Paulo, mesmo antes da sanção da lei, a PM já intensificava a fiscalização nas estradas. Em 2007, foram autuadas por dirigirem embriagadas 489 pessoas no perímetro urbano da capital e 1.694 nas rodovias estaduais. Neste ano, de janeiro a maio, os números quase se igualam: são 450 atuações na cidade e 1.039 nas estradas do Estado.CRIME EM GOIÁSAnteontem, um motorista embriagado provocou um grave acidente na BR-153, entre Anápolis e Jaraguá (GO). Em alta velocidade, Carlos Dias, de 18 anos, bateu em um carro parado no acostamento e matou Maria de Lurdes Moreira, de 26 anos, e seus filhos, Ryan Moreira, de 4 anos, e Lois Moreira, de 8. Dias poderá responder por crime doloso (intencional), cuja pena varia entre 12 e 30 anos de prisão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.