Com obras embargadas, Exército deixa Morro da Providência

Ministro da Defesa afirmou que as tropas só voltam às obras quando elas forem autorizadas pela Justiça

BRUNO TAVARES, enviado especial de O Estado de S. Paulo

24 de junho de 2008 | 16h46

O ministro da Defesa, Nelson Jobim, disse nesta terça-feira, 24, que as tropas do Exército só voltarão ao Morro da Providência depois que as obras do Projeto Cimento Social forem liberadas pela Justiça Eleitoral. Jobim esteve reunido durante todo o dia no Palácio Duque de Caxias, sede do Comando Militar do Leste, para definir alternativas para o trabalho dos militares.  Veja também:Assassinos de jovens podem ter deixado morro Em carta, militares culpam tenente por crime Exército em obra no morro é 'injustificável', diz Lula Jobim estuda proposta para permanência do Exército em morroJuiz do Rio se declara 'incompetente' para julgar militaresOpine: o Exército pode cuidar da segurança pública?   Na semana passada, o presidente do Tribunal Regional Federal da 2ª Região, desembargador Joaquim Antônio Castro Aguiar, determinou que a tropa só poderia permanece na rua onde acontecem as obras do projeto de recuperação de casas do morro. "No momento em que soubemos da decisão da Justiça Eleitoral, o Exército saiu do morro", afirmou o ministro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.