Com prejuízo de R$ 100 milhões, CV está vulnerável, diz PM

Avaliação é de que o CV perdeu não apenas homens, armas e drogas, mas o grande quartel general da facção criminosa, no Complexo do Alemão

Pedro Dantas, O Estado de S. Paulo

30 Novembro 2010 | 18h30

RIO - A Secretaria de Segurança Pública do Rio apresentou nesta terça-feira, 30, o resultado das apreensões nos dois últimos dias de ocupação do Complexo do Alemão. No pátio da Academia de Polícia Civil, 135 armas longas, entre fuzis, metralhadoras de calibre .50, calibre .30, carabinas e submetralhadoras, além de 33 toneladas de maconha, 235 quilos de cocaína, 27 quilos de crack, 1.406 frascos de lança-perfume, dezenas de bombas caseiras e munições variadas.

 

Veja também:

linkPolícia encontra túnel de fuga e vai lançar gás no esgoto do Alemão

linkExército ficará no Alemão até julho

linkMoradores denunciam arrombamentos

linkPrefeitura faz mutirão de serviços na zona norte do Rio

linkPolícia: CV deve se refugiar em Manguinhos e Mangueira

som Morador: 'Ainda não sabemos como isso vai ficar'

mais imagens Veja fotos da onda de ataques no Rio

video Vídeo - Bope troca tiros no Complexo da Penha

especial CRONOLOGIA - A crise de violência carioca

 

As armas apreendidas pela PM foram marcadas com tinta branca para evitar desvios de armamento. O material ficará à disposição da Justiça no cofre da Polícia Civil. "Pelo que acompanhamos com o Setor de Inteligência o Comando Vermelho, tanto na capital como no interior, está muito vulnerável", declarou o secretário de Segurança Pública, José Mariano Beltrame. As drogas seriam incineradas ontem na Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), em Volta Redonda, no sul do estado.

 

O tom entre os integrantes da cúpula da Segurança Pública do Rio era de euforia. O comandante da Polícia Militar, Mário Sérgio Duarte, estimou em R$ 100 milhões o prejuízo da facção criminosa Comando Vermelho com as apreensões. A avaliação é de que o CV perdeu não apenas homens, armas e drogas, mas o grande quartel general da facção criminosa.

 

A facção criminosa fez do conjunto de favelas um verdadeiro "mercadão do crime" onde havia venda de fuzis, drogas, desmanches de veículos e até empréstimos de soldados do tráfico para outros morros cariocas. "É uma apreensão histórica, porque tomamos o QG, que abastecia de armas e drogas as favelas da cidade. Nunca mais teremos uma apreensão deste porte no Rio. O tráfico no Alemão rendia lucros absurdos a esta facção e poderia sustentar a quadrilha sozinho", disse o chefe de Polícia Civil, Alan Turnowski.

 

De acordo com Beltrame, o CV utilizava o território do Complexo do Alemão como um grande refúgio para os assaltantes que atuavam na cidade. O número de veículos roubados apreendidos no conjunto de favelas chega a 350, sendo que 320 são motocicletas. Todos já estão à disposição dos donos no pátio da Delegacia de Roubos e Furtos de Automóveis (DRFA).

 

"O Rio ainda não acordou para o que significa o Complexo do Alemão para o Comando Vermelho. Nosso objetivo é o território. Se prender, melhor. Se apreender armas, melhor. Agora, o objetivo era tirar 400 mil pessoas da escravidão do tráfico" afirmou o secretário. Ele confirmou que as ordens para os ataques do Rio saíam do Complexo do Alemão e isto forçou a polícia a ocupar o conjunto de favelas, que seria ocupado apenas "em 14 e 16 meses".

 

Beltrame evitou falar sobre o destino dos chefes do tráfico, que fugiram do Complexo do Alemão e da Vila Cruzeiro. "Tem muita conversa, muitos boatos e denúncias. Não se pode fazer suposições. Este tipo de especulação não ajuda ninguém. No momento em que tiver isto, nós informaremos ou vamos lá buscar", disse o secretário. O chefe de Polícia Civil ressaltou que o foco agora está no "segundo e no terceiro escalão" do Comando Vermelho.

 

"São os mais procurados e os mais violentos. A gente sempre prendia o líder e nunca resolvia. Agora, nós estamos tirando território, armas e mexendo no lado financeiro. Nós vamos prender os líderes. É uma questão de tempo e a prisão deles acontecerá em lugares de muito mais fácil acesso à polícia. Eles são muito menos bandidos hoje do que antes", declarou Turnowski.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.