Ed Ferreira/Estadão
Ed Ferreira/Estadão

Com receio de ambiente de 'esquerda', Temer não deve ir a velório de d. Paulo

Segundo auxiliares, presidente tem previsão de agenda de eventos nesta sexta; fontes reconhecem que presença em cerimônia pode geral algum desconforto

Carla Araújo, O Estado de S.Paulo

15 Dezembro 2016 | 11h49

BRASÍLIA - Até o fim da manhã desta quinta-feira, 15, o presidente Michel Temer (PMDB) não tem previsão de participar do velório e do sepultamento de d. Paulo Evaristo Arns, que morreu nesta quarta-feira, 14, aos 95 anos. O velório está sendo realizado em São Paulo desde quarta-feira e terá 48 horas. O sepultamento está previsto para esta sexta-feira, 16, às 15 horas. 

Segundo auxiliares do presidente, Temer tem previsão de uma agenda de eventos nesta sexta-feira e não teria como ir ao sepultamento. A decisão, entretanto, não está fechada. Apesar de se tratar de uma sessão solene e religiosa, fontes do Planalto reconhecem que o ambiente de "esquerda" pode gerar algum tipo de desconforto para o presidente. 

O presidente decretou luto oficial de três dias pela morte de d. Paulo. Nesta quarta-feira, em nota, Temer lamentou a morte do cardeal e destacou que "d. Paulo foi um defensor da liberdade e sempre teve como norte a construção de uma sociedade justa e igualitária".

"O Brasil perde um defensor da democracia e ganha para sempre mais um personagem que deixa lições para serem lembradas eternamente", escreveu o presidente.

Chapecoense. No episódio do velório coletivo das vítimas do acidente aéreo que matou a delegação da Chapecoense, no último dia 29, o presidente foi bastante criticado pela decisão de apenas receber os corpos no aeroporto e entregar medalhas. Havia na ocasião receios a vaias e manifestações contrárias.

Diante do desgaste, no dia do velório coletivo, Temer decidiu então ir à Arena Condá, em Chapecó, onde seria realizada a cerimônia. "Se eu tivesse confirmado, os seguranças teriam que revistar todos os presentes no estádio", justificou Temer. 

Um dos eventos previstos para esta sexta-feira é justamente uma cerimônia para condecorar autoridades colombianas que trabalharam no resgate e auxílio aos brasileiros vítimas do acidente aéreo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.