Com renúncia de Dutra, Rui Falcão assume presidência

Acordo fechado ontem, à revelia do Planalto, deve ser ratificado hoje pelo Diretório Nacional; novo mandato vai até 2013

Vera Rosa, O Estado de S.Paulo

29 Abril 2011 | 00h00

O deputado estadual Rui Falcão (SP) será o novo presidente do PT até 2013. O acordo foi fechado ontem pela chapa que elegeu José Eduardo Dutra para o comando petista, em 2009, e será ratificado hoje pelo Diretório Nacional do partido. Escolhido por voto dos filiados, Dutra vai renunciar ao cargo hoje, para tratamento de saúde. Será acompanhado à sede do PT pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A escolha de Falcão, primeiro-vice-presidente do PT, foi sustentada pela bancada do partido na Câmara, que, descontente com a montagem do segundo escalão, quis mostrar independência em relação ao Planalto. Na prática, deputados deram uma estocada na presidente Dilma Rousseff. Ela não acusou o golpe e, na noite de ontem, ligou para Falcão, dando o seu aval.

O candidato do Planalto para a sucessão de Dutra era o líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE). Na segunda-feira, Lula tentou um acordo pelo qual a licença de Dutra - fora do comando desde 22 de março para tratar de hipertensão e problemas neurológicos - seria ampliada até setembro. Não conseguiu.

Dilma também se encontrou com Dutra na quarta à noite, em Brasília. Pretendia fazer-lhe um último apelo para ficar, mas se solidarizou com o amigo, que afirmou não ter condições de continuar. "É Humberto, não tem jeito. Sobrou pra você", disse Lula ao líder do PT no Senado.

Apesar de ser da corrente Construindo um Novo Brasil (CNB), a mesma de Lula e Dutra, Costa foi vetado pela bancada do PT na Câmara. Ao perceber o movimento de seus pares, em reunião que varou a madrugada de quarta, retirou o nome. "Achei que não valeria a pena deixar o trabalho no Senado no meio do caminho", desconversou.

A proposta inicial da CNB era de que Falcão ficasse no comando do PT apenas até setembro, quando o partido promoverá um congresso para reformar o seu estatuto. Houve, porém, muita divergência. "Não podemos deixar o partido do governo com um presidente interino", disse o deputado Jilmar Tatto (SP). Falcão é da corrente Novos Rumos, dissidência da CNB, e já presidiu o PT em 1994. No ano passado, durante a campanha de Dilma, teve o nome envolvido em denúncias relativas a espionagem de tucanos.Ele nega a acusação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.