?Com resfriamento, concreto fica fragilizado?, diz Crea-RJ

O presidente do Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura (Crea) Reynaldo Barros fez uma vistoria no prédio da Eletrobrás e afirmou que não há risco iminente de desabamento. No entanto, ele não afastou a possibilidade de isso acabar ocorrendo, já que a estrutura do edifício foi abalada pelo fogo. "Por causa do fogo, o ferro e o concreto se dilataram. Com o resfriamento, o concreto fica fragilizado", disse Barros. Ele afirmou que, após o fim do trabalho dos bombeiros, uma equipe do Crea vai vistoriar o prédio por dentro, para decidir se a parte afetada deverá ser escorada ou demolida. Barros informou ainda que o edifício foi reformado mas que as obras se concentraram apenas na fachada, não interferindo na infra-estrutura. Quanto à causa do incêndio, ele disse que pode ter sido um problema no sistema elétrico ou mesmo uma falha humana. "Normalmente estes incêndios acontecem por causa de um problema no sistema elétrico. Mas pode ter sido até mesmo um cigarro", opinou. A área que compreende o prédio e os edifícios vizinhos deverá ficar interditada por uma semana.Leia maisIncêndio destrói parte de prédio no centro do RioParte do prédio da Eletrobrás pode desabarFalta de água atrapalha serviço dos bombeiros no RioSetenta soldados combatem incêndio no RioPrédio do Rio foi reformado e tem brigada de incêndioIncêndio no prédio da Eletrobrás está controladoHá risco de a parte externa do prédio da Eletrobrás desabar

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.