Divulgação/Marinha
Divulgação/Marinha

Com sistema sonar, submarino francês vai buscar caixas-pretas

Emerade deve chegar nesta quarta para ajudar nas buscas; equipamentos dos EUA também vão participar

09 de junho de 2009 | 14h35

O submarino Emerade, que deve chegar na quarta-feira para ajudar nas buscas pelas caixas-pretas do Voo 447 da Air France, é uma embarcação nuclear de primeira geração da Marinha da França. Ele é o quarto submarino da classe Rubis e é capaz de mergulhar em águas profundas.

 

Veja também:

video Jornalista Roberto Godoy fala sobre a operação do submarino francês

lista Todas as notícias sobre o Voo 447

video Vídeo: Operação de resgate

especialEspecial: Os desaparecidos do voo 447

especial Especial: Passo a passo do voo 447

mais imagens Galeria de fotos: buscas do Voo 447

mais imagens Galeria de fotos: homenagem às vítimas

blog Blog: histórias de quem quase embarcou

especialCronologia das tragédias da aviação brasileira

especialCronologia dos piores acidentes aéreos do mundo

 

Equipado com um sistema sonar, ele tentará detectar sinais acústicos emitidos pelas caixas-pretas do Airbus, que caiu no Oceano Atlântico no trajeto Rio-Paris na noite de domingo, 31, com 228 pessoas a bordo. A participação no resgate dos destroços do AF 447 vai funcionar como uma espécie de prova real da tecnologia de casco e sistemas eletrônicos dos submarinos franceses.

 

O Emerade pode carregar até 14 mísseis e torpedos e seu sistema de propulsão é baseado em um sistema turboelétrico nuclear. Ele foi construído na década de 80 e comissionado em 15 de setembro de 1988.  Submerso, desloca 2.600 toneladas. Mede 73,6 metros e leva 62 tripulantes. A velocidade máxima é de 46 km/hora e o alcance é virtualmente ilimitado, graças à propulsão nuclear.

 

Em 30 de março de 1994, o submarino Emerade sofreu um acidente, um dos principais da história deste tipo de embarcação. O compartimento do motor sofreu uma explosão acidental e 10 pessoas morreram. Ele passou então por uma reforma entre maio de 1994 e dezembro de 1995 e foi elevado ao mesmo nível tecnológico do Améthyste (S 605).

 

Nos últimos anos, a embarcação participou da Operação Tridente, em 1999, no Adriático, garantindo a segurança do porta-aviões Foch na Iugoslávia. Em 2001, ele realizou exercícios no Oceano Atlântico e, em 2005 e 2006, no Índico.

 

Tecnologia nas buscas

 

A Marinha dos Estados Unidos enviou na segunda-feira dois aparelhos chamados de towed pinger locator 30 (localizadores rebocados de pinger) e 19 pessoas para o aeroporto de Natal, de onde eles partem entre quarta e sexta-feira em uma missão para tentar encontrar a caixa-preta. Os pingers são cilindros acoplados às caixas-pretas que, quando submersos em água salgada, emitem sinais acústicos (pings). Os localizadores conseguem detectar pingers que estejam a até 20 mil pés (6.096 metros) de profundidade.

 

O mesmo equipamento foi usado para localizar a caixa-preta do Boeing 747 do voo 800 da TWA, que explodiu no ar em 1996 e caiu no Atlântico, causando a morte de 230 pessoas. Em janeiro de 2007, o equipamento também foi usado com sucesso para localizar a caixa-preta de um avião que sumiu na costa da Indonésia, com 102 pessoas a bordo.

 

Segundo o comandante da Marinha Jeffrey Gordon, a equipe que deixou o aeroporto de Dulles é composta de oficiais da Superintendência de Mergulho e Salvamento, e funcionários terceirizados que operam o equipamento.

 

Kathleen Roberts, porta-voz do Comando de Sistemas Navais da Marinha, afirmou que a ajuda foi requisitada pelo governo francês e os equipamentos serão usados em dois rebocadores contratados pelo governo francês. As caixas-pretas têm bateria para seu pinger funcionar durante 30 dias.

 

As buscas pelos corpos dos passageiros do Voo 447 e destroços do Airbus contam ainda com 7 navios, sendo seis brasileiros e um francês, além de 14 aviões e helicópteros, sendo 12 do Brasil e 2 da França. Até o momento, 28 corpos foram resgatados.

 

Texto alterado às 10h20 para acréscimo e correção de informações

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.