Jamil Chade/ESTADÃO
Jamil Chade/ESTADÃO

Com ‘tecnologia revolucionária’, Lutero se transformou em 1.º ícone midiático

Guerra dos panfletos e publicação inédita de livros em línguas locais popularizaram imagem e teses de alemão, também marcado por sua intransigência e polêmicas

Jamil Chade, ENVIADO ESPECIAL

29 Outubro 2017 | 03h00

WITTENBERG – A Reforma Protestante jamais teria ocorrido se, antes, a imprensa de Gutenberg não tivesse sido criada. Historiadores e teólogos consultados pelo Estado revelam que, ainda que a nova tecnologia tenha sido criada sete décadas antes, Martinho Lutero foi um dos primeiros “revolucionários da mídia” e a soube usar como poucos.

Hoje, a exposição que marca seus 500 anos conta com um cartaz que dá a dimensão de seu poder de comunicação. Ao lado de imagens de Lutero em seus momentos mais decisivos, um pássaro azul – símbolo reconhecido de uma rede social – o observa atentamente. 

“Lutero teria usado o Twitter e o Facebook de uma maneira exaustiva se as redes existissem”, analisa o escritor e curador da exposição, Benjamin Hasselhorn. “Ele tinha um desespero enorme por fazer chegar suas convicções aos fiéis”, comentou. 

Só a difusão de suas ideias é que o garantiu vivo e permitiu o cisma. Wittenberg, naquele momento, contava com apenas 2,5 mil habitantes. Lutero sabia disso. Outras tentativas de reformar a Igreja haviam fracassado por causa da falta de um apoio das massas e de uma repercussão que não ia além de uma pequena região. 

Ao comentar o poder da imprensa, Lutero apontou que “seus benefícios não podem ser explicados apenas por palavras”. “Por meio dela, as escrituras estão abertas e espalhadas em todas as línguas e preservada aos descendentes”, disse. 

Até 1500, cerca de 27 mil livros haviam sido publicados na Europa. Com o desembarque da polêmica de Lutero, esse número se multiplicou. Mesmo a proibição de que suas obras circulassem a partir de 1519 não freou sua proliferação. 

Um dos motivos era o novo formato que ganhara espaço: os panfletos. Livros pequenos, baratos e capazes de serem levados no bolso. Verdadeiros instrumentos de propaganda, eles serviram como meio para que Lutero explicasse, em alemão, a doutrina da Igreja e publicasse textos bíblicos. Entre 1517 e 1524, o número de livros publicados aumentou em dez vezes e Wittenberg passou a ser responsável por 15% de todos os novos títulos lançados na Alemanha. 

A estratégia de Lutero era de que suas teses deixassem a esfera dos teólogos e autoridades. Para isso, traduziu sua proposta ao alemão e, rapidamente, a imprensa o transformou em panfletos. Junto com eles vieram milhares de apoios. 

A velocidade das publicações e de sua disseminação ao norte da Alemanha se contrastava com a dificuldade e o tempo de se fazer chegar uma carta de Wittenberg até a Santa Sé, em Roma. Enquanto meses foram necessários para que o Vaticano soubesse o que exatamente tinha ocorrido e ordenar sua excomunhão, em 1519 o movimento contestatário já havia estabelecido sua fundação. 

Mesmo escondido para não ser morto e protegido por um dos príncipes, Lutero manteve seu maior projeto literário: traduzir a Bíblia ao alemão. Doze anos depois e com mais de mil páginas, a primeira Bíblia na língua local chegava ao mercado. Para a história do cristianismo, ela foi um divisor de águas, permitindo que a população pudesse ter acesso direto à palavra de Deus. Sem passar por alguém que a interpretasse. Para isso, Lutero teve de a escrever de uma forma acessível e até inventar palavras. 

O golpe funcionou. Em apenas três meses, 3 mil cópias foram vendidas, o que na época foi um best-seller. Imediatamente, novas edições foram realizadas, que voltaram a se esgotar. 

O impacto ainda foi sentido na formação de uma nação. Pela primeira vez, um livro para as “massas” teve a capacidade de unir as diferentes regiões que, até então, falavam diferentes dialetos. Assim, a bíblia de Lutero consolidou o alemão como língua nacional. 

Ícone

Apenas publicar não era suficiente. Lutero precisava de um interlocutor de poder para que o debate ganhasse uma dimensão maior. Sua estratégia foi a de enviar suas teses não aos padres locais. A carta em que ele questiona a Igreja em 1517 é endereçada a Albrecht de Brandeburgo, o máximo representante. 

Também em uma estratégia de comunicação, ele mudou seu nome. Na carta de 31 de outubro, Martinho Luder – seu nome original – se transforma em Martinus Lutherus. O sobrenome seria uma palavra criada a partir do grego Eleutherios, “aquele que foi liberado por Deus”. 

Com o tema saindo da esfera religiosa e se transformando numa questão de insubordinação diante das autoridades, aliados de Lutero ainda colocaram em circulação panfletos com imagens explicando e denunciando os papas da época. 

Não demorou para que aquele movimento alimentasse uma revolta dos campesinos locais em 1525, que publicaram reivindicações ao mesmo estilo de Lutero pedindo o fim do trabalho forçado. O movimento levou à destruição de dezenas de monastérios e o assassinato de monges e freiras. Para a surpresa dos pequenos agricultores, o reformador os abandonou e fechou seu apoio aos príncipes. Lutero chegou a escrever contra os rebeldes e pediu sua morte, o que acabou ocorrendo. 

Odiado por muitos e venerado por outros tantos, Lutero ainda causou polêmica ao se expressar de forma dura contra os judeus e os atacar. 500 anos depois, um dos poucos partidos de extrema-direita da Alemanha, NPD, usou nas eleições de 2017 a imagem de Lutero insinuando que ele seria a base de parte do pensamento neonazista, algo que historiadores negam. 

Mas a imprensa em 1517 também foi usada para o atacar. Satirizado, livros passaram a espalhar o rumor de que Lutero havia sido dominado por Lúcifer ou criticar seu estilo de vida e intolerância aos que o questionavam. 

Houve ainda a censura, inclusive de príncipes que eram seus aliados. Uma das primeiras reproduções do rosto do jovem monge Martinho acabou sendo proibida pelo príncipe Frederico e encontrada apenas depois de sua morte. Nela, o reformador aparecia com um rosto determinado e uma calma de quem sabia o que estava fazendo. O motivo da censura: seu carisma o transformara em militância, algo perigoso para os monarcas. 

Mas o resultado foi uma popularidade cada vez maior do monge insubordinado. Sua imagem passou a fazer parte das publicações e, para historiadores na Europa, Lutero foi o primeiro “ícone midiático da modernidade”. Em mais de 80 retratos, ele foi apresentado como cavaleiro em armas ou como um iluminado. 

Queimando livros católicos em praça pública ou adotando posições polêmicas para a época, a vida de Lutero passou a ser acompanha de perto. 

Para historiadores, ele se considerava como um profeta e, ao longo de sua reforma, a mudança que ela promoveria na sociedade não se limitaria ao destino das almas. Com o fim da relação com o Vaticano, as igrejas passaram a ter de se organizar localmente, com seminários aos religiosos, com o abandono de centenas de pessoas de instituições católicas, com a transformação até das finanças. 

No programa escolar, Lutero passou a defender o ensino do pensamento de Aristóteles e o fim de dezenas de feriados relacionados a santos. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.